McCain equilibra disputa com democratas, revela pesquisa

Virtual candidato republicano elimina desvantagem de quase 13 pontos para Barack Obama e Hillary Clinton

Agência Estado e Associated Press,

17 de abril de 2008 | 12h23

O candidato presidencial do Partido Republicano, John McCain, equilibrou a disputa com seus rivais democratas Barack Obama e Hillary Clinton. Pesquisa realizada pela Associated Press e pelo Yahoo indica que McCain eliminou uma desvantagem que há quase cinco meses era de treze pontos percentuais em relação aos democratas.  Veja também:Hillary admite que Obama venceria corrida presidencialConfira a disputa em cada Estado Conheça a trajetória dos candidatos Cobertura completa das eleições nos EUA  Hillary e Obama admitem erros em debate na Pensilvânia Segundo a pesquisa, o apoio de McCain entre os eleitores subiu dez pontos percentuais desde novembro. Já Obama e Hillary perderam cinco pontos de apoio. Há inclusive um grupo pequeno, mas significativo, de democratas insatisfeitos com os dois pré-candidatos que pretendem votar em McCain. A ascensão do republicano nas pesquisas ocorre apesar de ele ser o único dos candidatos comprometido a permanecer no Iraque até a vitória. A política econômica proposta por ele também é bastante similar à de George W. Bush. Os dois assuntos são responsáveis pela queda de popularidade de Bush - atualmente em torno de 30%. O índice é o pior de um presidente norte-americano desde que Richard Nixon começou a enfrentar o escândalo de Watergate, no início dos anos 1970. Características pessoais são vistas como importante, segundo a sondagem, para a definição do voto na atual disputa. A simpatia de McCain é citada como atrativo pelos eleitores. Outro fator que beneficia McCain é a divisão dos rivais. Hillary e Obama disputam a indicação democrata e, em vários momentos, trocaram críticas entre si. Para alguns membros do próprio Partido Democrata, a disputa interna prejudica o futuro candidato.

Tudo o que sabemos sobre:
eleições nos EUAJohn McCain

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.