McCain espera consolidar seu favoritismo em Michigan

Senador pelo Arizona e ex-governador de Massachusetts Mitt Romney devem travar disputa acirrada

Efe e Associated Press,

14 de janeiro de 2008 | 20h32

O senador republicano John McCain tentará confirmar seu favoritismo à candidatura presidencial pelo Partido Republicano nesta terça-feira, 15, durante as primárias no estado americano de Michigan. A disputa pela indicação no partido deve ficar entre o senador e o ex-governador de Massachusetts Mitt Romney. Obama e Hillary em disputa racial por eleitoresConheça os pré-candidatos Cobertura completa das eleições Eleições nos EUA  Depois de Iowa e New Hampshire, Michigan é a parada seguinte dos republicanos no processo para escolher o candidato que disputará a Presidência dos Estados Unidos no final do ano. McCain, Romney e o ex-governador de Arkansas Mike Huckabee multiplicaram suas aparições em Michigan nas últimas horas para tentar angariar votos dos eleitores do estado. Enquanto isso, o Partido Democrata decidiu "punir" Michigan pelo fato de o estado ter antecipando suas primárias para o próximo dia 15, fugindo à ordem tradicional, e com isso os democratas da região não terão direito a escolher o candidato democrata à presidência. Os candidatos democratas se dirigiram diretamente para Nevada, no próximo sábado, 18, onde acontecem as próximas primárias do partido. Para os republicanos, no entanto, o confronto de Michigan será disputado. Uma pesquisa publicada nas últimas horas pelo principal jornal do estado, o Detroit News, coloca McCain com 27% das intenções de voto, enquanto Romney vem logo atrás com 26%, seguido da grande surpresa do pleito republicano, Huckabee, com 19%. Enquanto McCain aposta nos eleitores independentes, Romney espera levar vantagem por ter crescido no Estado e também pela popularidade de seu pai, que governou Michigan de 1963 a 1969.  Analistas dizem que a prévia é crucial para Romney - derrotado em New Hampshire e Iowa, mesmo com a intensa campanha que fez nesses Estados. Ele prometeu "não descansar enquanto Michigan não estiver de volta" ao cenário nacional. O Estado tem a maior taxa de desemprego do país. Outros estudos prevêem que Romney ficará com 28% dos votos, enquanto McCain teria 26% e Huckabee, 17%. Até agora, na contagem geral, Romney tem 24 delegados, Huckabee 18 e McCain, dez. Qualquer um dos candidatos precisa somar pelo menos 1.191 delegados até setembro, durante a convenção de Minnesota, para poder ter a candidatura republicana à Presidência. 'É a economia, estúpido!' A economia é o principal assunto na mente dos eleitores de Michigan. O estado, sede da enfraquecida indústria automobilística americana, é um dos que mais sofre com a atual crise econômica que atinge o país, que para alguns já pode ser chamada de recessão. Michigan tem a maior taxa de desemprego do país e Detroit, a capital do automóvel, sofre uma epidemia sem precedentes de falta de pagamentos de hipotecas. Nos últimos meses, muitas casas da cidade foram leiloadas a preços ridiculamente baixos, como US$ 10 mil, bem menos do que o mais barato dos carros populares. Romney, que foi governador de Massachusetts, mas nasceu em Michigan, esteve nesta segunda-feira, 14, em Detroit para apresentar seu plano econômico, no qual incluiu medidas para fortalecer o setor automobilístico. O ex-governador afirmou que "Washington tem que mudar" para Michigan sair da "recessão" na qual se encontra. Crítica a Bush  Romney criticou a administração do presidente americano, George W. Bush, e o Congresso do país ao afirmar que Washington não reagiu aos problemas econômicos do estado e que inclusive contribuiu com a situação com o recente endurecimento das medidas para reduzir o consumo de veículos. O ex-govenador de Massachusetts também prometeu que, se chegar à Casa Branca, reunirá líderes sindicais, empresariais, do Congresso e do estado de Michigan nos cem primeiros dias de governo para desenvolver um plano de reconstrução do setor automobilístico. McCain, que as pesquisas começam a apontar como favorito em nível nacional, recebeu nesta segunda o apoio do ex-governador de Michigan William G. Milliken. O ex-governador de Massachusetts, por sua vez, deve se reunir com o novo diretor-geral da Chrysler, Robert Nardelli. Enquanto isso, Huckabee - que já apresentou seu plano econômico para o setor no domingo - se reunirá com o vice-presidente da General Motors, Jim Press, após visitar uma fábrica da empresa. Por enquanto McCain deve mandar em seu lugar o senador independente Joe Lieberman, candidato democrata à Vice-Presidência em 2000 na chapa de Al Gore.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.