McCain suspende campanha para discutir crise em Washington

Candidato republicano pede adiamento de debate com Obama e sugere ação bipartidária para plano de resgate

Reuters e AP,

24 de setembro de 2008 | 16h23

O candidato republicano à Presidência americana, John McCain, anunciou nesta quarta-feira, 24, uma pausa em sua campanha para ajudar Wall Street no plano de resgate aos mercados. Ele também pediu o adiamento de um debate marcado para a noite de sexta-feira, com seu rival democrata, Barack Obama.   O republicano disse que não acredita que o plano de US$ 700 bilhões proposto pelo presidente George W. Bush será aprovado pelo Congresso americano em sua forma atual. "É hora dos dois partidos (Democrata e Republicano) se unirem para resolver esse problema", declarou McCain.   Ele pediu para Obama fazer o mesmo e disse que havia falado com o candidato democrata. "Devemos nos encontrar como americanos, não democratas ou republicanos, e devemos nos encontrar até que essa crise seja resolvida."   "Estou direcionando a minha campanha para trabalhar com a de Obama e com a Comissão para Debates Presidenciais para adiar o debate de sexta-feira até tomarmos uma ação para a crise", acrescentou McCain em nota.   O republicano disse que sua decisão é essencial diante do que chamou de "crise história". "Se não o fizermos, o crédito irá secar. As pessoas não poderão mais comprar casas e o resgate estará em risco. Os empresários não terão dinheiro o bastante para pagarem seus empregados. Não podemos deixar que isso aconteça", concluiu o senador pelo Arizona.   A administração Bush pressiona o Congresso para aprovar o plano de resgate, alegando que o pacote é necessário para evitar sérias conseqüências para a economia.   Cooperação de Obama   Logo após o anúncio de McCain, a campanha de Obama informou que os dois candidatos estão trabalhando juntos na questão da crise financeira, disse o porta-voz do candidato, Bill Burton. A iniciativa teria partido do democrata.   "Às 8h30 desta manhã, o senador Obama perguntou ao senador McCain se ele concordaria em emitir um comunicado conjunto ressaltando os princípios compartilhados pelo dois e as condições para a proposta do Tesouro", declarou Burton em e-mail à imprensa.   "Ele pediu ao Congresso e a Casa Branca para agirem de maneira bipartidária para aprovar o plano", continuou o porta-voz. "Nesta tarde, McCain retornou à chamada de Obama e concordou em se juntar a ele em um comunicado conjunto. Agora, as duas campanhas trabalham nos detalhes", concluiu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.