McCain tenta retomar campanha com novas propostas anticrise

Obama lança plano para classe média e ofusca republicano; campanha diz que senador lançará novas medidas

Agências internacionais,

14 de outubro de 2008 | 08h15

Desmoronando nas pesquisas, o candidado republicano John Mccain planeja anunciar suas novas propostas econômicas nesta terça-feira, 14, mirando a classe média americana e com a promessa de reverter a disputa presidencial a três semanas das eleições.   Veja também: Obama x McCain  Entenda o processo eleitoral   Cobertura completa das eleições nos EUA   Obama conseguiu uma vantagem significativa sobre McCain nas pesquisas de intenção de voto em grande parte por causa da crise econômica. O democrata é visto pela maior parte da população como o mais capacitado para tirar o país da recessão. Na segunda-feira, ele ofuscou o rival republicano propondo medidas imediadas para socorrer a economia americana que, se aprovadas, consumirão US$ 60 bilhões em dois anos. O principal ponto do plano é uma moratória de 90 dias para execução de hipotecas, o grande pesadelo de americanos de classe média, que não conseguem mais pagar as prestações de seus imóveis.   Obama afirmou que o pacote deve ser adotado imediatamente. "Não podemos ficar esperando para ajudar os trabalhadores que estão sofrendo agora, que não sabem se seu emprego ou aposentadoria vão existir amanhã", disse. A campanha democrata espera que as medidas sejam votadas pelo Congresso antes do final do ano. Durante o lançamento de seu plano, Obama aproveitou para, mais uma vez, culpar o governo Bush pela turbulência. "George Bush cavou um buraco muito fundo e vai levar um tempo até que consigamos sair", disse o candidato.   Outro ponto do projeto de Obama é oferecer incentivos fiscais para empresas que criarem empregos nos próximos dois anos, como forma de combater o desemprego. O pacote também permite que as famílias saquem até US$ 10 mil de seus fundos de previdência sem penalidades tributárias.   Segundo assessores da campanha republicana, McCain também anunciará nesta terça novas propostas para salvar a economia. As medidas focarão "a crise financeira e econômica em curso, com ênfase especial nos que estão sendo mais prejudicados: os trabalhadores, proprietários e os idosos.   Na quarta-feira, os dois candidatos se enfrentam no terceiro e último debate presidencial - uma das últimas chances de McCain ressuscitar a campanha. A três semanas da eleição, o candidato republicano relançou na segunda sua campanha prometendo aos líderes conservadores e à base do partido uma "virada espetacular" até o dia da votação. McCain reconheceu que está perdendo a disputa. "Estamos 6 pontos atrás, a mídia nacional já nos colocou fora do jogo e o senador Obama dá a vitória como certa. Ele já está medindo as cortinas da Casa Branca e planejando com Nancy Pelosi (presidente da Câmara) e Harry Reid (do Senado) como aumentar impostos e os gastos públicos", disse. "Mas ainda temos 22 dias e vamos virar o jogo."   Foi em 1980, quando o republicano Ronald Reagan, que estava 8 pontos atrás do democrata Jimmy Carter (47% a 39%) a dez dias da eleição, conseguiu vencer. A diferença, segundo analistas, é que Reagan, ao contrário de McCain, representava o partido que não estava no poder.   (Com Patrícia Campos Mello, de O Estado de S. Paulo, The New York Times e Associated Press)

Tudo o que sabemos sobre:
eleições nos EUAJohn McCain

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.