McCain usa declaração de Biden em novo anúncio contra Obama

Republicano mostra vice-candidato democrata dizendo que deve ocorrer grande crise para testar seu colega

Gabriel Pinheiro, estadao.com.br

24 de outubro de 2008 | 18h53

Um novo anúncio do candidato republicano à Presidência americana, John McCain, usa uma controversa declaração do vice-candidato democrata à Casa Branca, Joe Biden, para atacar Barack Obama. Na segunda-feira, Biden disse que Obama deve enfrentar algum grande teste e uma crise internacional em seus seis primeiros meses de governo, o que foi mostrado no vídeo, divulgado nesta sexta, 24.   Veja também: Assista ao novo anúncio de McCain  Enquete: Você votaria em McCain ou Obama?  Confira os números das pesquisas nos Estados  Obama x McCain  Entenda o processo eleitoral   Cobertura completa das eleições nos EUA    "Isso não tem que acontecer", diz o narrador da propaganda, que exibe imagens de guerras e líderes como Hugo Chávez, da Venezuela, e Mahmud Ahmadinejad, do Irã. "Vote em McCain", conclui. Falando sobre a declaração de Biden na quarta, Obama admitiu que "Joe às vezes adota floreios retóricos" e afirmou que qualquer que seja o vencedor das eleições irá enfrentar ameaças e desafios. "Em período de transição de novo governo sempre temos que estar vigilantes", justificou.   A campanha de McCain criticou a explicação do democrata. "Joe Biden garantiu que haverá uma crise internacional se Barack Obama for eleito e uma entrevista coletiva não vai anular o risco de uma Presidência Obama", afirmou Tucker Bonds, porta-voz do candidato republicano.   Joe Biden, escolhido para vice de Obama para trazer experiência em segurança nacional à chapa democrata, já cometeu várias gafes. No início da disputa pela indicação presidencial da legenda, o senador afirmou que o candidato era o primeiro "afro-americano que sabe falar bem, que é bonito e genial". Em outra ocasião, ele disse que acreditava que Obama poderia estar pronto para ser presidente um dia, mas até o momento não estava.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.