Departamento de Polícia de Miami
Departamento de Polícia de Miami

Menina de três anos morre baleada após discussão entre dois adultos em Miami

Segundo o prefeito da cidade, dois irmãos estavam brigando por questões financeiras no momento

O Estado de S. Paulo

31 Março 2018 | 17h50

Neste sábado, 31, uma menina de apenas três anos de idade faleceu após ser baleada na cidade de Miami, na Flórida, Estados Unidos, após uma discussão entre dois adultos. Além dela, outras duas crianças ficaram feridas pelos estilhaços em consequência do disparo. O suspeito já está em custódia da polícia local.

O Departamento de Polícia de Miami recebeu o chamado por volta do meio-dia no horário local (13h de Brasília). O incidente ocorreu no bairro de Liberty City e o suposto agressor, depois de tentar fugir em seu carro, finalmente se entregou às autoridades cerca de 1h após o ocorrido. "Temos uma criança que faleceu nesse tiroteio sem sentido. Os outros dois menores foram cortados pelos vidros, mas passam bem", afirmou o departamento via Twitter. 

O prefeito da cidade, Francis Suarez, explicou ao jornal Miami Herald que acredita se tratar de uma disputa sobre questões de dinheiro entre um homem e sua irmã, que estava dentro de um veículo com três menores, incluindo a menina.

+ Jovem negro morto por policiais nos EUA levou 8 tiros nas costas

O homem disparou contra o carro e a menor foi gravemente ferida, enquanto as outras duas crianças sofreram ferimentos vidro que caiu após a bala ter atingido o automóvel. A menina foi levada para um hospital, onde sua morte foi confirmada.

"É outro ato infeliz e tolo de violência. Isso precisa acabar. As pessoas precisam encontrar outras maneiras de resolver conflitos que não seja com armas", disse o prefeito.

+ Ao menos 16 palestinos morrem em confrontos com soldados israelenses em Gaza

O superintendente escolar do município, Alberto Carvalho, lamentou também o fato em uma mensagem no Twitter. "Que mensagem é enviada para as crianças? Claramente, nós, como comunidade, não estamos fazendo o suficiente ", escreveu./EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.