Michelle inaugura novo estilo de primeira-dama

Advogada bem-sucedida, ela pretende atuar como 'mãe-em-chefe' e como conselheira informal de Obama

07 de novembro de 2008 | 07h24

Michelle Obama, futura primeira-dama dos Estados Unidos, vai levar para a Casa Branca sua competência de advogada empresarial. Assim como o marido, Barack Obama, que em janeiro assume como o primeiro presidente negro do país, ela será a única primeira-dama negra da história. Mas sua prioridade, garante, será atuar como "mãe-em-chefe" das filhas do casal.   Veja também:Sogra também irá a Washington Família Obama se adapta à nova vida Especial: Festa por mudança  Veja discurso de Obama no Youtube (Parte 1)  Veja discurso de Obama no Youtube (Parte 2)  Veja o perfil do novo presidente Trajetória de Obama  Guterman: Obama é o resgate do 'espírito americano'  Blog: Brasileiros nos EUA Estadao.com.br na terra dos Obamas Diário de bordo da viagem ao Quênia  Veja a apuração das eleições Entenda o processo eleitoral   Cobertura completa das eleições nos EUA A advogada de 44 anos foi uma ardente defensora da candidatura do marido, mas afirma que não deseja assumir um papel político no governo. "Minha primeira ocupação é continuar como ?mãe-em-chefe?", disse, em recente entrevista, referindo-se às filhas Malia, de 10 anos, e Sasha, de 7. Michelle diz ter como principal plano buscar meios para que as mulheres consigam equilibrar trabalho e família. Ela admite, entretanto, que pode vir a atuar como conselheira informal do marido, a exemplo do que ocorreu durante a campanha. Michelle cresceu num bairro operário de Chicago, freqüentou escolas públicas e formou-se em duas universidades de elite nos Estados Unidos: Princeton e Harvard. Depois disso, trabalhou num escritório de advocacia e no gabinete do prefeito de Chicago. Seu emprego mais recente foi como vice-presidente dos hospitais da Universidade de Chicago, uma ocupação que lhe rendia um salário maior que o do marido. Embora a família tenha uma boa situação financeira - em parte por contar com os royalties de dois livros publicados pelo presidente eleito -, Michelle costuma sublinhar os valores que recebeu na sua educação e procura repassar a sua própria família: "Quando você cresce numa família na qual há amor, segurança e pessoas que se sacrificam por você, tem a obrigação de retribuir, ajudando outros. É por isso que o serviço comunitário tem sido uma grande parte da minha vida." Doce crítica   No discurso que fez na noite de terça-feira, Obama descreveu sua mulher: "Minha melhor amiga nos últimos 16 anos, a rocha da nossa família, o amor da minha vida." O novo presidente americano costuma referir-se a ela como uma fonte de energia e uma doce crítica que o mantém com os pés no chão. Em uma exposição que atraiu inúmeros elogios na Convenção Democrata, Michelle falou sobre a vida do casal e disse ver no marido a representação dos valores americanos típicos. Em Denver, em outro discurso, ela afirmou: "Não teríamos chegado a este momento na história do país sem vocês todos, porque algo milagroso aconteceu este ano", disse. "Estou orgulhosa do meu país e orgulhosa do meu marido." Michelle tem imensa popularidade entre os democratas, entusiasmados com a força e inteligência que ela projeta, apesar de, em fevereiro, ter provocado polêmica por causa de comentários feitos durante a campanha. "Pela primeira vez, estou realmente orgulhosa do meu país", afirmou, num comício em Wisconsin. "E não só porque Barack foi bem-sucedido, mas porque acho que as pessoas estão sedentas por mudança." Os conservadores a criticaram, dizendo que lhe faltou patriotismo.   Michelle tem utilizado boa parte de seu tempo para dar apoio às famílias de soldados americanos que integram as tropas enviadas ao Iraque e ao Afeganistão - outra tarefa que pretende manter quando chegar à Casa Branca. AS ANTECESSORASLaura BushMulher de George W. BushLogo no primeiro ano do governo, teve de lidar com uma exposição bem maior do que esperava, por causa dos atentados terroristas de 11 de setembro de 2001. Bibliotecária, manteve nos demais anos de governo uma atuação concentrada principalmente nas áreas de educação e cultura. Dedicou-se ainda à conscientização da população sobre problemas que atingem mulheres e jovensHillary Clinton Mulher de Bill Clinton Nunca se limitou às funções tradicionais do cargo. Concentrada na discussão do setor de saúde, mantinha um escritório próprio na Salão Oval da Casa Branca, que abriga os principais auxiliares do presidente. Ocasionalmente, participava de reuniões da equipe de governo e até discordava publicamente do marido. Foi a única primeira-dama a participar de uma eleição. Tornou-se senadora em 2000Barbara BushMulher de George BushConhecida por seu entusiasmo pelos livros, encontrou no incentivo à leitura e na difusão da cultura a base de seu trabalho como primeira-dama. Evidenciava seus laços com família e religião e destacava-se por não esconder os cabelos brancos ou dar importância às grifes que vestia. Não extrapolava abertamente funções do cargo, apesar dos rumores de que participava ativamente da condução política do país. var keywords = "";

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.