Na reta final em Iowa, expectativa cresce entre pré-candidatos

Concorrentes à Presidência dos EUA apostam em seus comitês de campanha para convencer eleitor a votar

NYT,

03 de janeiro de 2008 | 18h32

De olho na previsão do tempo e com fé em seus comitês de campanha, os pré-candidatos à Presidência dos Estados Unidos diminuíram o ritmo de suas campanhas nesta quinta-feira, 3, e iniciaram a espera por um veredicto das urnas na primeira etapa para a escolha dos indicados. Veja tambémObama lidera e Hillary é a terceiraAcompanhe a cobertura das eleições nos EUA Entenda como funcionam as prévias de Iowa Conheça os pré-candidatos  "Eu me sinto bem", disse a senadora Hillary Clinton, uma das concorrentes pelo Partido Democrata. "Mas tudo vai depender de quem efetivamente irá colocar o casaco e esquentar o carro para sair à rua e ir ao caucus", disse ela, referindo-se ao desafio de levar os eleitores às reuniões partidárias que acontecem nesta quinta-feira em meio às rigorosas temperaturas do inverno do norte dos EUA.  Nesta noite, os militantes dos partidos Republicano e Democrata do Estado de Iowa dão a largada "de facto" à corrida eleitoral de 2008 nos Estados Unidos, uma das mais disputadas dos últimas tempos. Nesta primeira fase da corrida, conhecida como "prévias", eleitores de todos os estados do país votarão para eleger delegados que os representarão nas convenções dos dois partidos em meados do ano, quando os candidatos à Presidência serão escolhidos. O pleito está marcado para novembro. Embora figure como favorita nas pesquisas em nível nacional, Hillary voltou a cair nas enquetes para o caucus (reunião em que os eleitores discutem as plataformas políticas e se organizam em grupos de apoio aos diferentes pré-candidatos) de Iowa. Além de aparecer atrás do também senador Barack Obama, ela agora também perderia para John Edwards na indicação do Partido Democrata.  Os pré-candidatos de ambos os partidos aproveitaram os últimos momentos de campanha no estado nesta quinta-feira para pedir apoio em programas de rádio e de TV. Apesar da preocupação expressa por Hillary sobre o comparecimento dos eleitores, funcionários de ambos os partidos mostraram otimismo e previram participação recorde.  "Eu gostaria de ganhar, mas se eu não ganhar, um segundo lugar nesses estados é um bom sinal", disse o ex-governador do Estado de Massachusetts Mitt Romney, um dos favoritos à indicação pelo Partido Republicano. "Acho que neste momento ainda é cedo para fazer previsões."  Apesar de 2006 ter sido um ano de longos discursos políticos e cerca de US$ 25 milhões gastos em anúncios televisivos em Iowa, o que parecia ser o trabalho mais importante nas últimas horas antes do início das prévias acontecia longe dos concorrentes. Nos comitês de campanha dos pré-candidatos, centenas de voluntários se esforçavam para responder dúvidas e encaminhar os eleitores às suas seções eleitorais específicas; são 1.781 locais distintos em todo o Estado. "Tudo é possível nesse ponto", disse o democrata Barack Obama, senador pelo Estado de Illinois. "Nós apostamos muito em Iowa e nossos esforços estão aqui. Nos sentimos bem com o que fizemos, mas isto é o começo, e não o fim."

Tudo o que sabemos sobre:
Eleições nos EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.