No Natal, Barack Obama visita base militar havaiana

Durante a ceia, presidente eleito agradeceu aos militares em Honolulu pelo serviço prestado aos EUA

Agência Estado e Associated Press,

26 de dezembro de 2008 | 19h19

O presidente eleito dos Estados Unidos, Barack Obama, visitou famílias de militares durante a ceia de Natal, agradecendo-os pelos serviços prestados ao país e posando para fotos. Na quinta-feira, 25, Obama visitou a base havaiana dos fuzileiros navais em Honolulu, próxima a casa que ele alugou para passar as férias e conversou brevemente com os alistados enquanto eles comiam peru, tender e rosbife.   Veja também: Obama e Hillary são os mais admirados pelos americanos 82% dos americanos aprovam Obama na transição Cobertura completa dos EUA em transição   Ele não fez comentários formais e nem conversou com repórteres durante a parada, uma das poucas aparições públicas do presidente eleito durante aquilo que seus assessores chamam de férias particulares da família.   "Olá", disse Obama enquanto caminhava pelo refeitório vestindo camisa de manga curta e calças folgadas. "Só queria dizer oi". O presidente eleito permaneceu durante alguns minutos em cada mesa enquanto os fuzileiros, os marinheiros e as suas famílias se levantavam para cumprimentar seu próximo comandante-em-chefe. Noutras mesas, os visitantes comeram batata doce com cobertura de marshmallow, purê de batatas e milho refogado com brócolis.   "De qual parte de Indiana?", ele perguntou a um dos presentes. A outro, disse: "Esta é a mesa da Costa Leste?". O novo presidente e sua família planejavam passar o Natal recolhidos, algo difícil de realizar devido à exposição contínua dos últimos dois anos, durante a maratona de Obama rumo à presidência. O presidente eleito, sua esposa Michelle e as suas duas filhas do casal abriram presentes na quinta-feira e planejaram a ceia - peru e tender, segundo assessores. Não foram divulgados mais detalhes.   A família Obama chegou a Honolulu no sábado junto com quatro assessores, a equipe de segurança do serviço secreto e um pequeno grupo de jornalistas. Desde então, o presidente eleito dos EUA passou a maior parte do tempo recolhido dentro da propriedade de frente para a praia.   Faltando menos de um mês para assumir o cargo - a posse está marcada para 20 de janeiro -, Obama está fazendo de tudo para que suas férias sejam tão reservadas quanto possível - algo de que ele se queixou enquanto caminhava até uma pista de corrida no último domingo.   "Já chega, rapazes", disse Obama, reparando nos fotógrafos acompanhando seus movimentos. "Vamos lá... De quantas fotos vocês precisam, afinal?". Ele e Michelle Obama visitaram a base havaiana dos fuzileiros navais para realizar seus exercícios matinais diários. Por duas vezes, ele jogou golfe com amigos. Obama participou de uma cerimônia particular em memória da avó na terça-feira e espalhou as cinzas dela sobre o Oceano Pacífico. E isso foi tudo.   Discrição   Enquanto o presidente eleito passa as férias no Havaí até o ano-novo, ele e seus assessores tomaram todos os cuidados para minimizar o impacto da sua presença. Ele não tem agenda pública a seguir durante a folga, embora permaneça envolvido nos planos para a transição presidencial e receba boletins dos serviços de informação.   Apesar de os assessores de Obama terem tomado os cuidados necessários para manter a discrição durante as férias dele, o plano não funcionou totalmente. Fotógrafos conseguiram imagens dele espalhando as cinzas da avó a partir de um penhasco na terça-feira enquanto a imprensa aguardava num ônibus. Outro fotógrafo conseguiu flagrar no jardim a família do futuro presidente - que estava sem camisa no momento da foto.   O serviço secreto bloqueou a rua onde ele está hospedado, alegando ter motivos de segurança para fazê-lo. Nos últimos dias, alguns carros entraram pela rua sem saída, mas não passaram do posto de controle. E alguns vizinhos que tentaram caminhar na frente da casa no Natal foram repelidos por agentes.

Tudo o que sabemos sobre:
Barack Obamaeleições nos EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.