Obama abre 11 pontos de vantagem contra McCain

Crise financeira e rejeição a George W. Bush contribuem para desempenho do democrata

Agência Estado e Dow Jones

11 de outubro de 2008 | 09h05

O candidato democrata à presidência dos Estados Unidos, Barack Obama, abriu vantagem contra o candidato republicano, John McCain, em uma pesquisa de opinião pública conduzida pela revista Newsweek, divulgada neste sábado, dia 10.   Veja também: McCain defende Palin sobre abuso de poder Obama vira 'Osama' em cédula eleitoral  Obama x McCain  Entenda o processo eleitoral   Cobertura completa das eleições nos EUA   A apenas três semanas das eleições, em 4 de novembro, Obama lidera a disputa com 52% das intenções de voto contra 41% de McCain. Pesquisa realizada há um mês mostrou ambos candidato empatados, com 46% das intenções de voto.   Até 86% dos entrevistados disseram estar insatisfeitos com o caminho que as coisas estão tomando nos EUA, enquanto 10% disseram estar satisfeitos. Obama ampliou sua base de apoio com o agravamento da crise econômica norte-americana.   Segundo a pesquisa, Obama lidera McCain entre os homens, com 54% das intenções de voto, contra 40% de McCain; e também entre as mulheres - 50% e 41%, respectivamente. Mesmo aqueles com idade acima de 65 anos, que tradicionalmente votam nos republicanos, desta vez preferem Obama (49%) a McCain (43%).   O número de norte-americanos que aprovam o trabalho do atual presidente, George W. Bush, despencou para apenas 25%, um recorde de baixa para um presidente da Era Moderna, mostrou a pesquisa da revista Newsweek.   A pesquisa é divulgada um dia após o Conselho Legislativo do Alasca dizer que a vice de McCain, Sarah Palin, foi considerada culpada em uma acusação de abuso de poder durante seu mandato como governadora do estado. Palin foi acusada de demitir o servidor Walter Monegan porque ele se recusou a dispensar o policial Mike Wooton, que se divorciou da irmã de Sarah. O divórcio envolveu uma disputa judicial sobre a custódia de um filho do casal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.