Obama abre 15 pontos de vantagem sobre McCain, diz pesquisa

Candidato democrata à Casa Branca dispara após apoio da ex-rival Hillary Clinton, informa revista 'Newsweek'

Da Redação, estadao.com.br

20 de junho de 2008 | 20h44

Uma pesquisa da revista americana Newsweek divulgada nesta sexta-feira, 20, indica que o candidato democrata à Presidência americana Barack Obama tem 15 pontos percentuais de vantagem sobre seu rival republicano John McCain. Na análise feita com eleitores americanos de todo país, o democrata aparece com 51 pontos, enquanto o republicano obteve 36.   Veja também:  Obama x McCain  Conheça a trajetória dos candidatos Cobertura completa das eleições nos EUA    Na última pesquisa da Newsweek, feita no final de maio, quando Hillary Clinton ainda estava na corrida presidencial, Obama e McCain estavam empatados com 46 pontos. Segundo a revista, o fato da ex-primeira-dama não ter apenas endossado a candidatura do rival democrata como também anunciado planos para fazer campanha ao lado de Obama influenciou no resultado. "Eles estavam em uma disputa acirrada e agora que deixaram este período para trás, há o salto", disse o realizador da pesquisa Larry Hugick.   Mas os últimos números de uma análise do descontentamento dos eleitores sugerem que o avanço de Obama é mais que um simples salto. De acordo com a publicação, somente 14% dos americanos estão satisfeitos com a direção dos Estados Unidos. O número é comparável ao baixo nível registrado em junho de 1992, quando a breve recessão contribuiu para a vitória do ex-presidente democrata Bill Clinton, que concorria com o pai do atual presidente George W. Bush.   No geral, 51% dos eleitores americanos vêem Obama como um agente da mudança, contra 27% que acreditam que não, informa a Newsweek. Entre os eleitores jovens, a vantagem é ainda maior - 66% das pessoas de 18 a 39 anos têm esta visão do senador por Illinois, enquanto 27% discordam. Neste quesito, os dois candidatos estão estatisticamente empatados entre os eleitores mais velhos.   Para a Newsweek, Obama reflete a grande identificação que os eleitores tem com o Partido Democrata atualmente - 55% se declararam democratas ou disseram estar inclinado à legenda, enquanto apenas 36% se declararam republicanos ou inclinados a este partido.   Mesmo com McCain tentando se distanciar da impopularidade de Bush e enfatizando ser um candidato com personalidade própria, o estudo indica que a má reputação do presidente americano afeta a candidatura do senador pelo Arizona.   A revista entrevistou 1.010 eleitores nos Estados Unidos nos dias 18 e 19 de junho. A margem de erro da pesquisa é de 4 pontos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.