Obama aceita nomeação diante de 75 mil pessoas nesta quinta

Primeiro candidato negro por um grande partido, senador relembrará Martin Luther King durante discurso

Agências internacionais,

28 de agosto de 2008 | 08h23

Os democratas preparam uma grande comemoração para Barack Obama nesta quinta-feira, 28. O candidato vai aceitar uma candidatura presidencial histórica com um discurso que falará sobre sua visão de mudanças para os Estados Unidos. O primeiro candidato negro indicado por um grande partido nos Estados Unidos, vai discursar no estádio de Denver diante de 75 mil pessoas, exatamente 45 anos depois do discurso "Eu Tenho um Sonho", de Martin Luther King - um marco no movimento pelos direitos civis nos Estados Unidos.   Veja também: Democratas oficializam nomeação de Obama Clinton promete lutar para eleger Obama Galeria de fotos da Convenção  Obama x McCain Entenda o processo eleitoral   Cobertura completa das eleições nos EUA    Obama, que teve sua candidatura oficializada formalmente na quarta-feira, discursará para a maior platéia nacional até o fim de setembro, quando enfrentará o republicano John McCain no primeiro de três debates que antecederão as eleições de 4 de novembro. Quando Obama tinha 1.549 votos e Hillary Clinton, 341, a senadora interveio e pediu: "Com os olhos permanentemente fixos no futuro, e pela unidade do nosso partido, vamos declarar juntos em uma voz que Barack Obama é o candidato e será nosso presidente." A presidente da Câmara dos Deputados, Nancy Pelosi, consultou a platéia: "Sim", gritou o Pepsi Center lotado, com capacidade para 20 mil pessoas.   O candidato fez uma aparição inesperada na convenção do partido, na quarta-feira, depois do discurso de seu candidato a vice-presidente, Joe Biden, senador por Delaware. "Queremos abrir a convenção para garantir que todos que quiserem possam vir se juntar à festa", disse Obama, ao explicar sua decisão de mudar seu discurso desta quinta-feira para o estádio. Os eleitores só costumam prestar atenção aos candidatos somente depois das convenções nacionais dos partidos. As pesquisas de opinião mostram que muitos eleitores ainda não conhecem Obama muito bem e têm duvidas sobre seu preparo para o cargo.   Todos que discursaram na convenção procuraram abordar essas preocupações. Além de Biden, Hillary Clinton, antiga rival de Obama na disputa pela nomeação do partido, e seu marido, o ex-presidente Bill Clinton, falaram de forma entusiasmada sobre o candidato. "Barack Obama está preparado para liderar a América e para restaurar a liderança americana no mundo", disse Bill Clinton a uma multidão de democratas ao rebater uma recorrente acusação dos republicanos.   O candidato a vice aproveitou suas credenciais para lançar ásperas críticas à política externa defendida por McCain, e procurou atrelar as plataformas do rival republicano às do presidente George W. Bush. "Nosso país está menos seguro e mais isolado do que em qualquer época de nossa história recente. A política externa de Bush-McCain nos jogou em um buraco profundo e há poucos amigos para nos ajudar a sair dele", afirmou. iden frisou que é amigo do rival republicano e que viajou pelo mundo com McCain em diversas ocasiões, mas que "discorda da direção em que John quer levar o país".   Obama está empatado com McCain nas pesquisas de opinião. A convenção do Partido Republicano - que ocorre na semana que vem - dará aos eleitores a chance de comparar os dois. O estrategista de Obama, David Axelrod, disse a repórteres que o discurso do candidato democrata se concentrará em suas idéias de mudança para o futuro do país.   (Com Patrícia Campos Mello e Lourival Sant´Anna, de O Estado de S. Paulo, e Reuters)

Tudo o que sabemos sobre:
eleições nos EUABarack Obama

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.