Obama aproveita vitórias e ataca Hillary e McCain

Além de criticar sua rival democrata, pré-candidato assume postura de favorito e mira em líder republicano

Associated Press,

13 de fevereiro de 2008 | 17h33

Um dia depois de conquistar uma vitória esmagadora num novo round de prévias democratas, o pré-candidato Barack Obama partiu para a ofensiva nesta quarta-feira, 13, mirando tanto em sua rival no partido quanto no provável candidato republicano.   Veja também: Vitória agrava crise na campanha de Hillary Subdiretor da campanha de Hillary se demite Carisma de senador provoca "Obamamania" Guterman: Hillary acabou? Pense de novo Confira a disputa em cada Estado Conheça a trajetória dos candidatos Cobertura completa das eleições nos EUA    Aproveitando sua recém conquistada liderança na corrida pela indicação, Obama disse que tanto a democrata Hillary Clinton quanto o republicano John McCain são em parte responsáveis pelo desaquecimento da economia americana.   Obama classificou os dois adversários - ambos senadores de longa data - como parte do establishment de Washington, cujos votos à favor da guerra do Iraque tiveram conseqüências desastrosas para a economia dos EUA.   "Em Washington, políticos como John McCain e Hillary Clinton votaram por uma guerra do Iraque que nunca deveria ter sido autorizada e nem lutada - uma guerra que nos está custando milhares de vidas preciosas e bilhões de dólares por semana", que poderiam ser usados em infra-estrutura, aprimoramento da mão de obra e num programa de saúde, disse Obama em um comício de campanha numa fábrica da General Motors em Wisconsin.   Segundo pesquisas, a maioria dos americanos temem que o país já esteja em uma recessão impulsionada pela queda nos preços da casa própria e numa grave crise de crédito.   Com vitórias arrasadoras nas primárias da Virgínia, Washington DC e Maryland na terça-feira, 12, Obama conquistou uma liderança de 26 delegados sobre Hillary. Segundo um levantamento da Associated Press, o senador pelo Estado de Illinois soma agora 1.224 delegados, contra 1.198 da rival. Ambos continuam distantes, entretanto, dos 2.025 delegados necessários para se conquistar a nomeação do partido.   Estima-se que Obama vencerá as prévias de Wisconsin e do Havaí, onde nasceu, na semana que vem.

Mais conteúdo sobre:
Eleições nos EUABarack Obama

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.