Obama busca ampliar liderança em prévias nesta terça

Senador democrata pode consolidar candidatura com vitórias em Maryland, Virgínia e na capital Washington

Agências internacionais,

12 de fevereiro de 2008 | 14h01

 Cerca de 18 mil pessoas desafiaram na segunda-feira, 11, o frio de 5 graus negativos para assistir ao pré-candidato democrata Barack Obama, em um comício na Universidade de Maryland. "Já estou na fila há quase uma hora, mas vale a pena, isso aqui é histórico", disse o técnico em tecnologia Dan Newsome, de 48 anos. "Vou votar pela primeira vez porque quero ver Obama presidente", dizia Christian Emtcheu, 29 anos, que congelava ao lado de Dan na fila que dobrava o quarteirão. Confira a disputa em cada Estado Conheça a trajetória dos candidatos Cobertura completa das eleições nos EUA    O senador por Illinois é o favorito do lado democrata nas prévias de hoje em Washington DC, Maryland e Virgínia, conhecidas como as primárias do Potomac, por causa do rio que cruza a região. DC tem 37 delegados, Maryland tem 99 e Virginia, 101. DC e Maryland, com suas grandes populações de negros e brancos de alta renda, são consideradas território amigável para Obama. Os republicanos, que realizam primárias nos mesmos Estados, devem consolidar o favoritismo do senador John McCain. O favorito republicano John McCain e seu principal adversário, o ex-governador do Arkansas Mike Huckabee, também se enfrentam na Virgínia, Maryland e o Distrito de Columbia. McCain tenta se aproximar ainda mais da nomeação da legenda para concorrer nas eleições presidenciais de novembro. Obama encostou em Hillary em número de delegados no fim de semana, com as vitórias na Louisiana, Maine, Nebraska e Estado de Washington (na costa oeste). De acordo com os cálculos da Associated Press, a senadora por Nova York está com 1.136 delegados e Obama, 1.108. Porém, segundo projeções do site Real Clear Politics, Obama ultrapassou a rival, somando agora 1.143 delegados contra os 1.138 alcançados por Hillary.   Com as esperadas vitórias nas primárias do Potomac, a candidatura do senador por Illinois pode ganhar um impulso decisivo. Esse é o grande medo da campanha de Hillary, pois uma seqüência de triunfos de Obama pode levar os superdelegados a votar nele.   A campanha de Hillary está conformada com as prováveis derrotas em Maryland e Washington DC, mas espera vencer ou pelo menos empatar na Virgínia, o que teria o mesmo efeito moral da vitória-surpresa em New Hampshire. A Virgínia tem uma porcentagem menor de população negra e uma quantidade razoável de brancos de classe média baixa, eleitorado da senadora. As pesquisas, porém, não têm sido animadoras. As urnas fecharão às 22h (horário de Brasília) na Virgínia e às 23h em Maryland e no Distrito de Columbia, e os resultados devem começar a sair pouco depois.   "Obamania"   O público faz ''olas'' enquanto espera a atração principal, o fundo musical pilotado pelo DJ Johny Blaze traz o melhor da soul music e do hip hop, a platéia, predominantemente jovem e de diferentes raças, grita slogans de forma incessante.   Muitos dos presentes nesta segunda-feira ao ginásio esportivo da Universidade de Maryland nem sequer poderão votar na primária desta terça-feira naquele a quem vieram assistir, o senador Barack Obama, mas compareceram, do mesmo jeito, porque querem ver ''a história acontecer'', como conta Tyerra Cole, de 12 anos.   Assim que Obama sobe ao palco, fica claro o quão forte é a empatia entre ele e aquele que tem sido seu público cativo, os jovens. O senador interrompe um trecho de seu discurso para saudar as atletas da equipe feminina de basquete da universidade, que podem se sagrar campeãs nacionais. ''Sabe, se eu tivesse trazido meus tênis, eu me arrumava e ia jogar um pouquinho com vocês, eu ainda tenho jogo, tenho mesmo!''   Segundo a BBC, um dos trunfos de Obama entre os votantes mais jovens tem sido justamente a sua oposição à guerra do Iraque desde o princípio. Posição que ele tem procurado destacar como estando em contraste com a de sua rival, Hillary Clinton, que votou a favor da guerra, mas hoje se opõe ao conflito.   Hillary é também citada no pronunciamento do senador, mas as fortes críticas de algumas semanas atrás foram deixadas de lado em prol de farpas e indiretas, como ao insinuar que ele é mais capaz de derrotar o provável candidato republicano, o senador John McCain.  O senador lembra que Hillary vem repetindo que é mais capaz de derrotar McCain, porque tem mais experiência e é mais ''durona''. ''Bem, eu posso ser magrinho, mas sou durão também'', afirma, em meio às palmas do público.   Republicanos   Do lado republicano, o senador John McCain é o favorito para vencer nas primárias desta terça-feira, e permanece sendo o favorito para obter a indicação do Partido Republicano para disputar a Presidência. Mas o outro pré-candidato republicano na disputa, o ex-governador Mike Huckabee, diz que não pretende abandonar a corrida presidencial.   Huckabee afirma que só deixará a disputa quando estiver matematicamente eliminado, ou seja, quando e se John McCain conquistar os 1.191 delegados que de precisa para obter a indicação de seu partido. Até agora, de acordo com estimativas da agência Associated Press, McCain possui 729 delegados, contra 241 de Huckabee.   O ex-governador Mitt Romney, que abandonou a corrida presidencial recentemente, não manifestou apoio a nenhum dos candidatos, o que deixa em aberto o caminho que será seguido pelos delegados que conquistou enquanto ainda estava na corrida eleitoral – um total de 288.     (Com Patrícia Campos Mello, de O Estado de S. Paulo, Reuters e BBC Brasil)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.