Obama chega no Afeganistão e visita tropas americanas

Candidato democrata inicia giro pelo exterior pelo país asiático após visitar tropas dos EUA no Kuwait

Agências internacionais,

19 de julho de 2008 | 09h05

O candidato democrata à presidência dos Estados Unidos, Barack Obama, chegou ao Afeganistão na manhã deste sábado, 19, depois de uma breve parada no Kuwait, em seu giro internacional ao Oriente Médio e Europa. O primeiro compromisso do senador de Illinois no Afeganistão foi uma visita as tropas americanas no leste do país.     Veja também: Obama x McCain  Conheça a trajetória dos candidatos Cobertura completa das eleições nos EUA    O giro de Obama pelo Afeganistão, Iraque, Jordânia, Israel, Alemanha, França e Reino Unido tem como objetivo provar sua credibilidade em assuntos internacionais e neutralizar as críticas de que é muito inexperiente para comandar os EUA.   Pouco antes de embarcar no avião militar que o levou ao país, Obama disse aos repórteres que pretende "ouvir mais do que falar" durante as viagens. "Obviamente eu quero conversar com os comandantes das forças americanas no Afeganistão e em Bagdá para saber quais são suas maiores preocupações. Também quero agradecer nossos soldados pelo trabalho heróico que têm feito", disse.   Ele declarou esta semana que quer enviar mais duas brigadas ao Afeganistão (cerca de 7 mil homens), em uma mudança no que ele classifica como "foco restrito" do governo Bush no Iraque. Ele também declarou que pretende retirar as tropas americanas do país em 16 meses. Em apoio à proposta de Obama, o primeiro-ministro iraquiano, Nuri al-Maliki, declarou em entrevista à revista alemã Der Spiegel, que a proposta de retirada das tropas neste prazo é a melhor para o país.   O porta-voz militar dos Estados Unidos, sargento David Hopkins, disse que Obama e outros dois senadores fizeram uma breve parada no campo de aviação de Jalalabad na província de Nangarhar para visitarem os soldados americanos estacionados no local. O porta-voz do Ministério de Relações Exteriores do Afeganistão, Ahmad Baheen, disse neste sábado que Obama vai se reunir com o presidente Hamid Karzai durante sua passagem pelo país.   Esta é a primeira visita de Obama ao cenário de uma guerra que, segundo ele, merece mais atenção e tropas. O Afeganistão está enfrentando o ressurgimento da insurgência do Taleban quase sete anos após a invasão liderada pelos Estados Unidos no país para tirar o grupo militante do poder. Nas últimas semanas, a violência ligada a insurgência piorou com a ocorrência de alguns dos ataques mais mortais contra as tropas estrangeiras no país.   Obama, que viaja como membro de uma delegação oficial do Congresso dos Estados Unidos, também se reuniu com líderes militares e tropas americanas na Base Aérea de Bagram, a principal base dos Estados Unidos no país, de acordo com fontes militares ouvidas pela Associated Press. A visita ao Afeganistão ocorre menos de quatro meses antes da eleição presidencial nos Estados Unidos e tem muitas implicações políticas. O rival republicano John McCain tem criticado Obama pela sua falta de tempo na região.   O senador de Illinois também deve fazer uma parada no Iraque mais tarde, onde deverá se reunir com o primeiro-ministro iraquiano Nouri al-Maliki. Obama defende o fim do papel de combate dos Estados Unidos no Iraque com a retirada gradual das tropas. Contudo, ele apóia o aumento do compromisso militar dos Estados Unidos no Afeganistão, onde acredita-se que o líder terrorista Osama bin Laden esteja escondido junto a fronteira com o Paquistão.   Parada no Kuwait   A caminho do Afeganistão, Obama parou na sexta-feira no Camp Arifjan, a principal base militar dos Estados Unidos no Kuwait e principal portão de entrada dos soldados americanos que chegam e partem do Iraque. O tenente-coronel Bill Nutter, um porta-voz militar dos Estados Unidos no Kuwait, disse que Obama "conversou com soldados e eleitores e se reuniu com os líderes militares da base". Durante a visita de duas horas no Kuwait, os militares deram ao candidato Democrata uma visão geral das operações, disse Nutter. Obama apertou as mãos dos soldados, respondeu perguntas, fez pose para fotos e jogou um pouco de basquete durante a visita.   Obama viaja na companhia dos senadores Chuck Hagel (Republicano) e Jack Reed (Democrata), ambos veteranos de guerra que têm sido mencionados pela mídia como potenciais candidatos a vice-presidente do candidato Democrata. Contudo, Reed já declarou que não está interessado na vaga.   Matéria atualizada às 10h30.    

Tudo o que sabemos sobre:
eleições nos EUABarack Obama

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.