Obama comete gafe e se declara muçulmano na TV americana

Democrata reconhece que McCain nunca falou de sua 'fé muçulmana'; após o erro, logo corrigiu: 'fé cristã'

Ansa,

08 de setembro de 2008 | 15h50

Em entrevista à rede de televisão ABC, o candidato democrata à Presidência dos Estados Unidos, Barack Obama, cometeu uma gafe ao falar de sua religião, declarando-se, por engano, muçulmano. O candidato freqüenta há anos uma igreja cristã protestante em Chicago, mas nos últimos tempos está sob a mira de blogs políticos, que o classificam de "secreto muçulmano."  Veja também:Assista ao vídeo Pesquisas: Obama e McCain aparecem empatadosObama x McCainEntenda o processo eleitoral  Cobertura completa das eleições nos EUA  Durante a entrevista, o jornalista George Stephanopoulos comentou os boatos que correm na internet, mas reconheceu que, John McCain, adversário de Obama, em nenhum momento declarou abertamente algo a respeito da fé do democrata.  "Não estamos jogando, você tem razão no fato de que John McCain não falou de minha fé muçulmana", afirmou Obama, sendo interrompido em seguida pelo apresentador, que corrigiu: "fé cristã." Ao perceber a gafe, o democrata retomou o discurso. "Fé cristã. O que eu quero dizer é que ele [McCain] nunca sugeriu que eu sou um muçulmano", confirmou o candidato democrata, acrescentando que apesar disso, o adversário político "também não fez questão de desmentir os boatos".  Uma hora depois, o trecho da entrevista com a declaração "minha fé muçulmana" foi tirado do contexto restante do diálogo e começou a alimentar blogs e vídeos que defendem a teoria de que Obama seria um seguidor do islamismo.  As polêmicas em torno de sua religião foram acentuadas após o senador democrata, que é filho de muçulmano, ter aparecido em uma foto com roupas típicas somalis, o que reforçou os boatos. Também recentemente, o candidato foi alvo de uma sátira da revista New Yorker, que fez uma caricatura do democrata ao lado de sua esposa, Michelle, em trajes muçulmanos.

Tudo o que sabemos sobre:
Barack Obamaeleições nos EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.