Obama consolida imagem de líder em debate presidencial

Pesquisa da CNN afirma que democrata é mais apto para o cargo; senador ainda é mais agradável e objetivo

Agências internacionais,

08 de outubro de 2008 | 15h01

Pesquisas realizadas logo depois do segundo debate presidencial indicaram vitória de Barack Obama sobre John McCain no confronto, consolidando sua candidatura e a imagem de líder para a Casa Branca. Uma sondagem CNN/Opinion Research indicou que o democrata foi considerado por 54% do eleitorado como o mais qualificado para o cargo de presidente, contra 30% que optaram pelo republicano. A maioria dos consultados disse ainda que ele foi mais claro, objetivo e mais inteligente do que o oponente.   Veja também: Obama reforça candidatura no 2º debate Obama e McCain proclamam vitória em debate Sarah Palin é prima da princesa Diana, diz site de genealogia Galeria de fotos do debate  Obama x McCain  Entenda o processo eleitoral   Cobertura completa das eleições nos EUA   A menos de um mês das eleições e com os EUA e o mundo sendo afetados pela pior crise financeira em oito décadas, os eleitores americanos parecem pouco inclinados a manter o Partido Republicano na Casa Branca depois de oito anos de George W. Bush como presidente do país. Atrás nas pesquisas, o candidato republicano à presidência dos Estados Unidos, John McCain, não conseguiu ganhar terreno com o segundo debate com o democrata, realizado na noite de terça na Universidade Belmont, em Nashville, Tennessee.   Segundo a pesquisa, 64% dos consultados manifestaram uma opinião favorável a Obama depois do debate - 4 pontos a mais do que antes do evento; 54% mantém o posicionamento anterior a favor do republicano. A maioria afirmou ainda que Obama pareceu ser um líder mais forte durante o debate - 54% contra 43% de McCain - e 65% dos eleitores acreditam que Obama foi mais agradável durante a discussão. McCain foi duramente criticado nesta quarta por ter se referido ao rival como "aquele ali". "Adivinha quem votou a favor [do proejto de lei de energia defendido por Bush]? Aquele ali", afirmou McCain, apontando o rival.   Obama ainda conseguiu médias maiores entre os eleitores que assistiram ao debate sobre sua inteligência - 57% das pessoas afirma que o democrata é mais inteligente do que o republicano, citado por 25% dos consultados - e em relação à clareza de idéias - para 60% Obama foi mais claro em seus pontos de vista do que McCain (30%). Segundo a pesquisa, 63% dos entrevistados disseram que o republicano gastou mais tempo atacando o oponente do que o democrata (17%). Metade dos consultados afirmou que Obama foi mais direto em suas respostas e pareceu se preocupar mais com os problemas das pessoas que participaram do programa.   Para o diretor de pesquisas da CNN, Keating Holland, Obama ganhou pontos no quesito liderança com o evento em Nashville. "Se Obama pode usar o debate para convencer os americanos de que é mais forte do que McCan, ele dificilmente será derrotado", afirmou.   Obama solidificou sua liderança nas pesquisas nacionais para as eleições de 4 de novembro e ganhou vantagem em Estados que podem ser decisivos nas últimas semanas, enquanto a crise em Wall Street colocou o foco da campanha na economia, área em que o democrata e senador por Illinois é mais bem avaliado pelos eleitores. As pesquisas mostraram Obama como o vencedor do primeiro debate, há duas semanas. O desta terça-feira foi conduzido em uma ampla sala em forma de arena, com perguntas do auditório, formato favorito de McCain. Faltam apenas quatro semanas para a eleição, e os dois candidatos se encontrarão em um debate final no dia 15 de outubro.   Na pesquisa diária realizada pelo Instituto Gallup, Obama voltou a ampliar nesta quarta-feira sua margem sobre McCain nas intenções de voto dos americanos desde o início da campanha: 52% a 41%. Numa sondagem divulgada na terça, Obama liderava por 51% a 42%. A margem anunciada hoje, constatada numa pesquisa realizada entre os dias 5 e 7 de outubro, é a maior já obtida por Obama desde o início da campanha. Quase todas as 2.747 entrevistas foram conduzidas antes do debate de ontem. A margem de erro é de dois pontos porcentuais para mais ou para menos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.