Obama dá dicas de seu vice, mas não confirma candidato

Democrata alimenta expectativa para companheiro de chapa, que pode ser anunciado por SMS nesta sexta

Efe e Associated Press,

22 de agosto de 2008 | 11h08

O candidato democrata à Presidência dos Estados Unidos, Barack Obama, afirmou que seu candidato a vice-presidente - que já foi escolhido mas não anunciado - deve ter três características: estar preparado para ser presidente, capaz de ajudá-lo a governar e capaz de questioná-lo. A declaração alimenta ainda mais a expectativa pelo número dois na chapa do Partido Democrata, que pode ser confirmado aos simpatizantes da legenda por e-mail e mensagem de texto via celular ainda nesta sexta-feira, 22. Veja também:Obama ataca McCain por não saber de fortunaObama e McCain confirmam participação em debatesObama e McCain aparecem empatados em pesquisaObama x McCainConheça a trajetória dos candidatos Cobertura completa das eleições nos EUA  O Partido Democrata inicia na próxima semana sua Convenção Nacional em Denver (Colorado), na qual será formalizada a candidatura do senador e de seu companheiro ou companheira de chapa. Na quinta-feira, Obama afirmou que seu vice que é alguém independente e que poderá ajudá-lo a fortalecer a economia. Ele planeja aparecer com o candidato a vice em um evento na tarde de sábado, em Illinois.  As especulações dão conta de que o vice seja Joe Biden, o maior especialista democrata em política externa no Senado. O fato de Biden estar cotado é um sinal do temor de que a inexperiência de Obama em temas internacionais, em comparação ao republicano John McCain, custe muito aos democratas em pesquisas. Porém, acredita-se também que Obama considere para o posto os governadores Kathleen Sebelius, do Kansas, e Tim Kaine, da Virgínia, além do senador Evan Bayh, de Indiana. "Obviamente, a pergunta mais importante é: esta pessoa está pronta para ser presidente?", disse Obama no programa The Early Show da rede de televisão CBS. "A segunda questão mais importante, pelo menos de minha perspectiva, é: esta pessoa pode me ajudar a governar?", acrescentou o senador por Illinois. "Finalmente, quero alguém que seja capaz de me questionar, que não seja simplesmente uma pessoa que diz sim para tudo em relação a medidas de governo". "Esta pessoa será um colaborador eficaz para a criação de oportunidades econômicas aqui, no país, e para nos guiar em algumas situações internacionais perigosas?", perguntou Obama, explicando os motivos da escolha.  Obama, relativamente novo na cena política, fez história ao tornar-se o primeiro candidato negro à presidência por um grande partido norte-americano. Mas está sofrendo com as críticas de McCain - veterano senador do Arizona, ex-piloto de combate e ex-prisioneiro de guerra no Vietnã - por sua suposta inexperiência em temas de segurança nacional. Outro ponto do democrata criticado pelo rival é o que prevê a retirada das tropas dos EUA do Iraque 16 meses depois de assumir a Presidência.

Tudo o que sabemos sobre:
eleições nos EUABarack Obama

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.