Obama e McCain respondem declarações de Hillary sobre Iraque

Senadora diz que Iraque é uma guerra que não se pode ganhar e critica candidatos por apoiarem invasão

Efe,

17 de março de 2008 | 21h56

O pré-candidato democrata à Presidência dos Estados Unidos Barack Obama e o republicano John McCain responderam de imediato nesta segunda-feira, 17, à declaração da pré-candidata e senadora por Nova York Hillary Clinton de que os custos da guerra do Iraque podem chegar a US$ 1 trilhão e que conflito é algo que "não podemos ganhar". Obama afirmou está em jogo "é a segurança econômica". Para o senador por Illinois, "os custos a longo prazo de substituir as equipes, dar cobertura médica para as tropas e benefícios às famílias dos soldados mortos" custaria mais de US$ 1 bilhão.   Veja também: Democratas anunciam que Flórida não terá novas prévias Seguidores de Obama e Hillary diminuem tom de campanha Maioria dos americanos quer um presidente democrata Confira a disputa em cada Estado Conheça a trajetória dos candidatos Cobertura completa das eleições nos EUA    A campanha do candidato republicano John McCain, por sua vez, emitiu um comunicado criticando os "ataques desonestos" da senadora. "Seria uma enorme irresponsabilidade manter as promessas da campanha que faz ala esquerda do Partido Democrata e prosseguir com uma retirada, sem se importar com a situação na região", acrescentou.   A dois dias do 5º aniversário da invasão americana ao Iraque, a senadora democrata aproveitou seu discurso numa universidade de Washington para criticar o decisão do governo americano em 2003. Hillary enfatizou os crescentes custos da guerra e seus impactos nas prioridades nacionais, no momento em que a economia se transforma no assunto mais importantes para os americanos nas eleições presidenciais. Em resposta, Obama lembrou que se opôs a guerra no país desde o princípio.   Por outro lado, a senadora disse que o presidente americano George W. Bush está decidido a manter sua "política falida no Iraque", assim como o candidato presidencial republicano, John McCain, que "aceitará a guerra de muito bom grado, mantendo os rumos atuais e deixando as tropas na região por mais 50 anos se necessário". Tanto Bush como McCain "querem nos manter atados a uma conflito civil em outro país, uma guerra que não podemos ganhar", assegurou Hillary, ao descrever os dois republicanos como pessoas que, em vez de aprender com os erros, "os repetem."   Hillary e Obama se pronunciam sobre a guerra no Iraque com a intenção de captar o maior número de delegados possíveis para obter a nomeação presidencial Democrata. As próximas primárias, na Pensilvânia, de 22 de Abril, será fundamental na corrida a Casa Branca.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.