Obama é preferido pela população mundial, diz pesquisa

Sondagem em 22 países diz que 46% dos consultados acreditam que mundo será melhor se democrata vencer

Agência Estado e Dow Jones,

09 de setembro de 2008 | 13h44

A maioria da população mundial prefere o democrata Barack Obama como o próximo presidente dos Estados Unidos. O senador negro por Illinois leva vantagem sobre o rival republicano, John McCain, em uma pesquisa realizada em 22 países divulgada nesta terça-feira. Na média, o apoio a Obama é de 49%, e a McCain, de 12%.   Veja também:  Obama x McCain Entenda o processo eleitoral   Cobertura completa das eleições nos EUA    A sondagem da emissora britânica BBC registrou a preferência por Obama em todos os países pesquisados. O democrata realizou em julho uma grande viagem pela Europa e pelo Oriente Médio, incluindo um discurso para 200 mil pessoas em Berlim. Para 46% dos consultados, as relações dos EUA com o mundo melhorarão se Obama assumir. Já no caso de McCain ganhar apenas 20% acreditam que haverá avanços nas relações. Foram entrevistadas 22.500 pessoas.   A aprovação global dos EUA está baixa. Outra pesquisa divulgada neste ano pela BBC apontou que 49% das pessoas pesquisadas tinham uma visão negativa da influência do país, comparado com 32% que avaliavam essa nação positivamente.   Os mais entusiasmados com o impacto de um governo Obama são aliados do país na Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) - Canadá, França, Alemanha, Reino Unido e Itália. Além deles, registram bom índice de aprovação ao democrata Austrália, Nigéria e Quênia.   Para 46% dos entrevistados, um presidente dos EUA negro "mudaria fundamentalmente" a percepção deles sobre o país. Para 27%, isso não se alteraria. "Um grande número de pessoas pelo mundo claramente gosta do que Barack Obama representa", disse Doug Miller, presidente da GlobeScan, empresa que conduziu a sondagem. Miller também destacou o fato de apenas um quinto dos consultados acreditarem que com McCain a relação do país com o resto do mundo melhoraria, apesar das críticas sofridas pelo atual presidente, George W. Bush.   Porém nada sugere que a popularidade internacional de Obama trará sucesso em casa. Ele aparece com uma pequena margem de diferença em relação ao republicano nas pesquisas - em algumas delas, os dois estão empatados. Um trabalho similar da BBC em 2004 mostrou que a maioria da população mundial preferia John Kerry, porém o democrata perdeu para Bush.   A vantagem de Obama variava de 9% na Índia a 82% no Quênia, onde o democrata tem família. Em geral, 49% preferem o senador negro, e 12%, McCain. Quase 40% das pessoas não tomou posição. Nos três países muçulmanos envolvidos na pesquisa, a visão sobre Obama não era tão otimista. A visão mais comum na Turquia - de 28% da população - era que as relações bilaterais em um governo Obama seriam piores. Já no Egito e no Líbano os maiores grupos - 34% e 42%, respectivamente - acreditavam que não haveria mudança nas relações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.