Obama faz história e se elege com folga presidente dos EUA

Com grande vantagem no colégio eleitoral, senador de 47 anos será o 1º afro-americano a ocupar a Casa Branca

Luiz Raatz, do estadao.com.br,

05 de novembro de 2008 | 02h50

Foto: AP   SÃO PAULO -Barack Hussein Obama Jr, de 47 anos, foi eleito na terça-feira, 4, o 44º presidente dos Estados Unidos. Ele será o primeiro afro-americano a ocupar o cargo. De acordo com projeções baseadas na apuração de votos e em pesquisas de boca-de-urna, o senador democrata de Illinois tem 338 votos no colégio eleitoral contra 163 de seu rival republicano John McCain. Até agora, 62,1 milhões de americanos votaram no democrata e outros 55,1 milhões escolheram o republicano.   Veja também: Em discurso, Obama diz que 'mudança chegou à América' Disputa foi a mais cara de todos os tempos Três fatores decidiram eleição nos EUA Veja o perfil do novo presidente Disputa foi a mais cara de todas Campanha de Obama fez história Democratas mantêm maioria no Senado Quênia decreta feriado por eleição de Obama Especial: Festa por mudança Imagens do dia de votação nos EUA  Trajetória de Obama  TV Estadão: jornalistas analisam a disputa Guterman: Obama é o resgate do 'espírito americano'  Veja a cobertura online  Blog: Brasileiros nos EUA Estadao.com.br na terra dos Obamas Diário de bordo da viagem ao Quênia  Veja a apuração das eleições Obama x McCain  Entenda o processo eleitoral   Cobertura completa das eleições nos EUA Obama venceu em estados cruciais como Ohio, Indiana, Carolina do Norte, Virginia e Flórida no leste do país e Novo México, Colorado e Nevada, no oeste. Ele também manteve a liderança em locais importantes, como Pensilvânia e New Hampshire. O democrata precisava de 270 votos no colégio eleitoral para ser eleito presidente.   Após duas eleições extremamente apertadas, em 2000 e 2004, quando Bush venceu após garantir apenas um Estado de vantagem sobre o rival - Flórida contra AL Gore e Ohio contra John Kerry - Obama conseguiu uma vantagem folgada contra o oponente.Segundo pesquisa de boca-de-urna da Associated Press, Obama teve mais votos de mulheres, negros e hispânicos, mas foi bem também entre homens brancos, categoria na qual McCain teve uma pequena maioria de votos. Geograficamente, o republicano contou com uma vantagem maior entre dobro de eleitores brancos no sul do país. Nas outras regiões, estes votos se dividiram igualmente. Entre as pessoas com menos de 30 anos, Obama venceu com vantagem de 34 pontos vantagem. Metade dos maiores de 65 anos votou em McCain. O democrata dominou os votos de eleitores que declararam apoio ao partido e conquistou a maioria do voto dos independentes.Ainda segundo a pesquisa, 95% dos eleitores negros que foram às urnas na terça-feira votaram no democrata. O senador de Illinois é o primeiro afro-americano a disputar a presidência. Em uma comparação com a última eleição, a pesquisa indica que o percentual de eleitores negros no eleitorado total aumentou de 11% para 13%. Discurso da vitóriaPor volta das 3h da manhã, no horário de Brasília, Obama subiu ao palco montado para ele em Chicago, Illinois, onde ele começou sua carreira política e falou pela primeira vez como presidente eleito. "Se alguém ainda duvida que a America é o lugar onde tudo é possível, esta noite é a resposta de vocês", disse. "A mudança chegou aos Estados Unidos".Obama ressaltou o número de pessoas que apareceram para votar e pediu a união de todos os setores da sociedade americana. "Este é nosso momento. A hora é agora. Enquanto celebramos esta noite sabemos dos desafios que teremos pela frente: duas guerras, um planeta em perigo, a pior crise financeira da história", afirmou. O presidente eleito ainda agradeceu seu vice, Joe Biden, sua equipe de campanha, a esposa, Michelle, e suas duas filhas, para quem prometeu um novo bichinho de estimação. Obama ainda se emocionou ao falar da avó, falecida no domingo. "Ela não está conosco, mas sei que ainda está comigo. Minha dívida com ela e minha família é inimaginável".O democrata ainda agradeceu ao rival, John McCain e prometeu trabalhar com ele e sua vice, Sarah Palin durante o mandato. "Ele lutou por muito tempo e muito duro pelo país que ele ama. Ele é um líder altruísta. Parabenizo ele e Palin."Por fim, Obama dedicou a vitória aos eleitores." este será o governo do povo, pelo povo e para o povo."   McCain reconhece derrotaMcCain discursou em Phoenix nesta madrugada e reconheceu a derrota. O republicano foi vaiado ao dizer que havia ligado para Obama para parabenizá-lo. McCain então conteve as manifestações com um gesto. "Esta é uma eleição histórica. O senador realizou um grande feito para ele e seu país", disse. O republicano ainda assumiu a responsabilidade pela derrota. "A culpa é minha, não de você", afirmou. Durante a campanha, os republicanos fizeram uma série de ataques a Obama. O democrata foi acusado de ser 'socialista' e de ter ligações com terroristas domésticos nos Estados Unidos. O candidato derrotado pediu que todos os americanos ofereçam ao novo presidente boa vontade para restaurar a prosperidade do país. "É uma pena que sua querida avó não tenha vivido para ver isto", completou.   Políticos parabenizam Obama   Do lado democrata, a senadora Hillary Clinton e seu colega Ted Kennedy parabenizaram o presidente eleito do país. "Hoje, os americanos falaram com voz clara e forte, e exigiram uma mudança ao escolher Barack Obama como nosso próximo presidente", disse Kennedy em um comunicado.   A senadora e ex-primeira-dama Hillary Clinton também foi uma das figuras políticas do país que parabenizou Obama por sua vitória após 20 meses de disputa. "Esta noite, comemoramos uma vitória histórica do povo americano. Foi uma campanha longa e difícil, mas o resultado valeu a pena", disse Hillary em uma nota. "   Juntos, sob a liderança do presidente Barack Obama, do vice-presidente Joe Biden e de um Congresso democrata, trilharemos o melhor caminho para reconstruir a economia e nossa liderança no mundo", destacou a senadora por Nova York, que, desde que perdeu a candidatura democrata, participou de mais de 60 comícios a favor de Obama.   O presidente dos EUA, George W. Bush, também telefonou para Obama para parabenizá-lo. Segundo a porta-voz da Casa Branca, Dana Perino, o presidente lhe felicitou pela "fantástica noite".Repercussão internacionalO presidente francês, Nicolas Sarkozy,  felicitou Obama nesta madrugada. "Com o mundo em meio a turbulência e dúvidas, o povo americano, fiel aos valores que sempre definiram a identidade da América, expressou com força sua fé no progresso e no futuro. Em uma época em que nós devemos encarar grandes desafios juntos, sua eleição fez nascer uma enorme esperança na França, na Europa e mais além. Encontraremos uma nova energia para trabalhar com os Estados Unidos para preservar a paz e a prosperidade mundial.", diz o comunicado emitido pelo palácio do Eliseu. No Canadá,  o primeiro-ministro Stephen Harper se disse ansioso para se encontrar com o presidente eleito para estreitar os laços entre os dois países.  "Nas semanas e meses à frente, autoridades e diplomatas canadenses estarão trabalhando próximo a membros da equipe de transição do presidente eleito Obama. Ministros do nosso governo estão ansiosos por construir uma forte relação de trabalho com seus parceiros em um novo gabinete.", falou. O primeiro-ministro japonês, Taro Aso, parabenizou hoje o democrata Barack Obama por sua vitória nas eleições presidenciais dos Estados Unidos, e expressou seu desejo de que possam "trabalhar juntos" para o bem da aliança entre os dois países. "Em colaboração com o presidente eleito, me esforçarei para fortalecer ainda mais a aliança entre Japão e EUA, para solucionar vários desafios enfrentados pela comunidade internacional como o da economia internacional, o terrorismo e o meio ambiente", disse Aso em comunicado.Feriado no QuêniaO presidente do Quênia, Mwai Kibaki, decretou que esta quinta-feira será feriado no país para celebrar a vitória de Barack Obama na presidência dos EUA, segundo a AFP. Apesar de todo o esquema de segurança colocado na residência dos Obama na África, os familiares do novo presidente saíram da casa gritando "Vamos para a Casa Branca".   (Texto atualizado às 9h)  

Tudo o que sabemos sobre:
eleições nos euaobamamccain

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.