Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Obama faz história e toma posse como 44.º presidente dos EUA

Presidente será o primeiro negro e o mais novo a ocupar o cargo; discurso pedirá por 'era da responsabilidade'

Associated Press e Reuters,

20 de janeiro de 2009 | 10h07

População aguarda durante a madrugada de temperaturas negativas para a posse de Obama. Foto: AP   WASHINGTON - Barack Obama entra para a história nesta terça-feira, 20, ao tornar-se o primeiro presidente negro dos Estados Unidos, trazendo uma mensagem de esperança para uma nação atingida pela recessão, incomodada pela guerra e faminta por mudanças depois de ter George W. Bush por oito anos na Casa Branca. Com um feriado nacional em honra ao líder de direitos civis assassinado Martin Luther King Jr. um dia antes da posse, a perturbadora história racial dos Estados Unidos esteve em evidência.   A posse de Obama representa um marco antes impensável numa nação que lutou com questões raciais desde sua fundação e onde a segregação era praticada em muitos Estados do sul do país apenas algumas décadas atrás. A posse será realizada do lado de fora do Capitólio, construído com a ajuda de escravos. Obama fará seu juramento com a mesma bíblia usada na posse de Abraham Lincoln em 1861, cuja Proclamação de Emancipação pôs fim à escravidão.   Veja também: Michelle, a 'mãe-em-chefe' da Casa Branca Mãe de Michelle vai morar na Casa Branca Obama enfrentará desafios históricos em lua-de-mel curta   Política de imigração de Obama esbarrará no desemprego Obama pedirá era de responsabilidade em discurso de posse Dez lições de Bush para Obama  A vida de Barack Obama em imagens  Imagens da família Obama      Enfrentando temperaturas geladas e possíveis nevascas, centenas de milhares de pessoas tomaram o rumo da capital do país nesta terça-feira para a primeira alteração na administração desde 2001. Ao redor do mundo, a eleição de Obama excita milhões de pessoas com a expectativa de que os Estados Unidos serão mais receptivo e mais abertos a mudanças.   A cerimônia desta terça-feira culmina a extraordinária ascensão deste democrata de 47 anos, que se muda para o Salão Oval como o quarto presidente mais jovem dos Estados Unidos. Em menos de cinco anos ele deixou de ser o pouco conhecido promotor do Estado de Illinois para a maior cargo do país, convencendo os norte-americanos de que, apesar de sua relativa inexperiência, ele poderia recuperar a economia e pôr fim à guerra no Iraque.   Um talentoso e inspirado orador, Obama elevou as expectativas de milhões que querm uma nova direção para os Estados Unidos. Ele prometeu enfatizar a diplomacia, buscar soluções globais para o aquecimento global, rejeitar a tortura e fechar a prisão na baía de Guantánamo. A presidência de Obama coloca os democratas firmemente no comando em Washington. Eles vão controlar ambas as câmaras do Congresso e a Casa Branca pela primeira vez desde 1994.   Bush deixa Washington como um dos presidentes mais impopulares, o arquiteto de duas guerras inacabadas e o homem que estava no poder quando ocorreu uma calamidade econômica. O nível de aprovação de Bush, que disparou depois dos ataques de 11 de setembro de 2001, caiu com a forma como tratou a guerra no Iraque, sua resposta lenta ao furacão Katrina e ao declínio econômico.   Pesquisas antes da posse mostram que os norte-americanos acreditam que Obama está no caminho para ter sucesso e expressam confiança de que o novo presidente pode recuperar a economia. Mas Obama já advertiu que as melhorias levarão tempo e que as coisas ficarão piores antes de melhorarem.   No final de quatro dias de celebração, Obama e o vice-presidente eleito Joe Biden devem começar o dia com uma tradicional culto matutino na Igreja Episcopal de St. John, nas proximidades da Casa Branca, e encerrar o dia em dez festas de posse que devem ir noite adentro.   Programação   Como de costume, Obama e sua mulher, Michelle, foram convidados para tomar café com Bush e sua esposa, Laura, antes de todos seguirem, de limusine blindada, até o Capitólio onde haverá a transferência de poder. Na segunda-feira, o vice-presidente Dick Cheney distendeu um músculo das costas, o que o deixará numa cadeira de rodas durante a posse. Antes do meio-dia, Obama entra pela frente do Capitólio para fazer o juramento de 35 palavras, dirigido pelo Chefe da Suprema Corte de Justiça, John Roberts, que vem sendo pronunciado por todos os presidente desde George Washington.   Filho de mãe nascida no Kansas e de pai queniano, Obama decidiu usar seu nome completo, Barack Hussein Obama, na cerimônia de posse. Para horror dos liberais, Obama convidou o pastor evangélico conservador Rick Warren, um oponente dos direitos dos gays, para fazer a oração inaugural. Mais de 10 mil pessoas de todos os 50 Estados, incluindo bandas e unidades militares, devem reunir-se para seguir Obama e Biden no trajeto de 2,4 quilômetros pela avenida Pennsylvania até a Casa Branca.   A posse deve reunir até 2 milhões de pessoas. O esquema de segurança não tem precedentes e as principais ruas e pontes da capital estão fechadas. Mas isso não diminuiu a excitação da atmosfera festiva no National Mall. Havia congestionamentos nos acessos a estacionamentos próximos às estações de metrô, e mesmo às 5h os trens já estavam lotados. Alguns mais entusiasmados acamparam para estarem entre os primeiros a passar pela segurança, onde rapidamente se forma uma aglomeração. Milhares de seguranças foram mobilizados para manter a ordem. Há barricadas em grande parte do centro da cidade, cujas ruas estão fechadas para carros particulares. Num discurso de posse que está sendo preparado há semanas - e que está entre os mais aguardados da história -, Obama deve convocar os norte-americanos para uma era de responsabilidade e união contra as dificuldades.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.