Obama ganha mais superdelegados; Hillary tenta evitar perdas

Senador recebe o apoio de mais 5 políticos e ex-primeira-dama tenta convencê-los de que ainda pode ganhar

Associated Press,

09 de maio de 2008 | 16h21

O pré-candidato à Presidência americana Barack Obama continua sua marcha rumo à Casa Branca. Nesta sexta-feira, 9, outros cinco superdelegados prometeram apoiar sua candidatura, um dos quais havia declarado antes apoio a sua rival Hillary Clinton.   Veja também: Obama se aproxima do número de superdelegados de Hillary Obama admite convidar Hillary Clinton para vice Os colhões de Hillary Clinton, a lutadora  Confira a disputa em cada Estado Conheça a trajetória dos candidatos   Os dois democratas procuram obter o maior número de superdelegados possível - que não estão ligados aos resultados dos Estados - para apoiá-los na reta final da nomeação democrata. Enquanto Obama amplia seu favoritismo, a campanha da senadora por Nova York se esforça para evitar mais deserções e convencer os políticos cruciais de que sua candidatura ainda tem sinais de vida.   Obama está a um passo de fazer história com sua tentativa de ser o primeiro presidente negro dos EUA, após uma forte demonostração de popularidade nas duas primárias desta semana, e parece ser estar mais confiante em seu discurso.   Com os cinco novos endossos, o senador por Illinois fica muito próximo de alcançar o número de superdelegados de Hillary - Obama conta com 263 superdelegados, enquanto a ex-primeira-dama conquistou o apoio de 267 deles, segundo a contagem da rede CNN.   Em entrevista ao programa Today Show, da rede NBC, John Edwards, ex-pré-candidato democrata, se negou a anunciar seu apoio a algum candidato, mas, quando pressionado, deixou claro sua inclinação a Obama. "Agora eu acho que Barack Obama tem mais chances. Parace que ele conseguirá a nomeação", disse.   "Ele mostrou a capacidade de unir o Partido Democrata; de trazer novos eleitores, pessoas que não estavam envolvidas na disputa por muito tempo e de deixar os eleitores empolgados", acrescentou.   O democrata Rahm Emanuel, que trabalhou na Casa Branca durante o governo Clinton, disse que Obama é o "pressuposto nomeado". Até então, havia permanecido neutro na disputa.   Até o final de quinta-feira, Obama tinha o apoio de 1.849 delegados, enquanto Hillary contava com 1.697. É necessário o apoio de 2.025 delegados para a nomeação do partido. Os democratas voltam a se enfrentar na semana que vem, na Virgínia Ocidental.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.