Obama irá propor 'negociação direta' com Irã, diz embaixadora

Em vez do isolamento adotado por Bush, novo presidente adotará 'diplomacia vigorosa' para impasse nuclear

Agências internacionais,

26 de janeiro de 2009 | 15h48

A nova embaixadora dos Estados Unidos nas Nações Unidas, Susan Rice, disse nesta segunda-feira, 26, que a nova administração americana colocará o impasse sobre programa nuclear iraquiano entre suas prioridades e irá propor conversas diretas com Teerã. "Estamos ansiosos para uma diplomacia vigorosa, que inclui diplomacia direta com o Irã", afirmou Susan após conversar com o secretário geral da ONU, Ban Ki-moon.

 

Veja também:

linkGrupo opositor do Irã sai da lista de terrorismo da UE

linkEspecial: a ameaça nuclear iraniana especial

 

O impasse nuclear com o Irã pode ser um dos maiores desafios de Obama, testando sua promessa de conversar diretamente com Teerã em lugar da política de isolamento diplomático proposto pelo governo de George W. Bush.

 

Os governos ocidentais acusam Teerã de tentar adquirir armas atômicas sob a sombra de um programa para produzir energia nuclear. O Irã nega as acusações e diz que quer a potência nuclear apenas para gerar eletricidade.

 

A nova secretária de Estado, Hillary Clinton, também assegurou em audiência no Senado que Obama irá buscar uma nova estratégia que incluirá o "engajamento" com o Irã, para tentar mudar o comportamento do país.

 

Hillary, porém, deixou claro que o novo governo continuará a tratar com toda a dureza o que é percebido como "promoção do terrorismo", "interferência contínua no funcionamento dos outros governos" e a "busca de armas nucleares" por parte de Teerã.

 

O urânio enriquecido necessário para reatores nucleares ou armas é produzido em centrífugas que espalham gás hexafluoreto (UF6) em alta rotação. O UF6 deriva da uma reação química criada com o chamado "bolo amarelo", um pó concentrado que surge do urânio concentrado na forma de sal.

Tudo o que sabemos sobre:
Barack ObamaIrãEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.