Obama lembra Lincoln e vai a Washington de trem

Viagem da Filadélfia até a capital é o trecho final do trajeto feito por ídolo do presidente eleito em 1861

O Estado de S. Paulo,

17 de janeiro de 2009 | 07h19

>   WASHINGTON - Desde o lançamento de sua campanha, o presidente eleito Barack Obama evoca a imagem de Abraham Lincoln e agora, a três dias da posse, volta a lembrar a trajetória do 16º presidente americano pela forma que escolheu para ir até Washington. Obama chegará à capital de trem, fazendo discursos pelo caminho, como Lincoln em 1861. A viagem de Obama está programada para começar na manhã deste sábado, 17, quando deve embarcar na Filadélfia, Pensilvânia, acompanhado de sua família e alguns dos maiores doadores de sua campanha, vindos de todo o país.   Veja também:  Veja o programa da posse de Barack Obama  Cronologia de Barack Obama   Imagens da família Obama    O trajeto de Lincoln foi bem mais longo e começou 12 dias antes da posse; o trem da Filadélfia a Washington foi apenas o trecho final. Lincoln não contava com rádio ou TV para fazer sua mensagem chegar à população. A viagem com 101 paradas e discursos foi uma estratégia de comunicação em massa. Mesmo contando com uma intensa cobertura de todos os tipos de mídia, Obama deve atrair multidões em suas duas paradas. Na primeira, em Wilmington, Delaware, ele se encontrará com seu vice, Joe Biden. Os dois seguirão juntos a Washington, mas antes devem fazer mais uma parada, em Baltimore.   "Ele está replicando a etapa final da jornada de Lincoln", afirma o historiador Harold Holzer. "A reverência de Obama a Lincoln não tem limites." Obama lançou sua candidatura em Springfield, mesma cidade em que Lincoln iniciou a carreira política. Depois de eleito, inspirou-se no "time de rivais" montado pelo antigo presidente e escolheu para seu gabinete antigos adversários, como Hillary Clinton, com quem concorreu nas primárias democratas, e Robert Gates, funcionário de Bush.   Obama diz ainda ter preparado seu discurso de posse inspirado em textos de Lincoln e, na hora do juramento, vai usar a mesma Bíblia usada por ele. "Acho que essa é uma política muito inteligente", diz Michael Kline, autor do livro The Baltimore Plot (O Plano de Baltimore), sobre a conspiração para assassinar Lincoln na viagem de trem. "Ele mostra gratidão pela parte do país que o apoiou em massa e indica que deseja incluir todos, mesmo as pessoas que não o apoiaram. "   Lincoln sobreviveu à tentativa de assassinato durante a viagem, mas acabou morto em um atentado em 1865, já no seu segundo mandato. O serviço secreto garante que não há ameaças iminentes para a viagem de Obama. Mesmo assim, as medidas de segurança são extremamente rigorosas. Há sensores biológicos, químicos e de radiação em todo caminho. Barcos fazem patrulha permanente nos rios a serem cruzados e o trem será acompanhado por jatos da Força Aérea.   TORTURA   Uma das primeiras medidas de Obama após a posse será proibir a técnica de interrogatório que simula um afogamento, afirmaram ontem funcionários da equipe de transição. A técnica conhecida como "submarino" foi usada pela CIA em suspeitos de terrorismo. Segundo as fontes, Obama prepara um documento exigindo todas as agências utilizem apenas as condutas descritas no Manual de Campo de Exército e ordenando o fechamento de todas as prisões secretas.   (Com Washington Post e AP)

Tudo o que sabemos sobre:
posse de ObamaBarack Obama

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.