Obama lidera em 5 Estados-chave; McCain apenas em 2

Democrata mantém apoio das regiões que votaram em Kerry além de acirrar disputa em redutos republicanos

Reuters,

27 de outubro de 2008 | 09h07

O democrata Barack Obama está à frente em cinco dos oito Estados que devem decidir a eleição presidencial norte-americana da semana que vem, segundo a mais recente pesquisa Reuters/Zogby divulgada nesta segunda-feira, 27. O republicano John McCain lidera em dois, e na Flórida há empate. Em outra pesquisa Reuters/C-SPAN/Zogby, de abrangência nacional e com margem de erro de 2,9 pontos percentuais, Obama mantém os mesmos 5 pontos percentuais que haviam sido registrados no domingo, com uma amostra parcialmente diferente.   Veja também: Final da disputa nos EUA foca Estados que elegeram Bush Enquete: Você votaria em McCain ou Obama?  Confira os números das pesquisas nos Estados  Obama x McCain  Entenda o processo eleitoral   Cobertura completa das eleições nos EUA   O republicano George W. Bush venceu em 2004 em todos os oito "swing states" (Estados-pêndulo) pesquisados nos últimos três dias. Obama está à frente na Virgínia, Carolina do Norte, Missouri, Ohio e Nevada, em geral dentro da margem de erro, que é de 4,1 pontos percentuais. McCain está 10 pontos percentuais à frente na Virgínia Ocidental e 6 pontos em Indiana. Na Flórida, principal Estado em disputa, com 27 votos no Colégio Eleitoral (de um total de 538), os dois candidatos registram 47% das intenções de voto. Em 2000, o republicano Bush ganhou a Flórida (e a eleição presidencial) por poucas dezenas de votos.   Na maioria das pesquisas, Obama lidera em todos os Estados que votaram no democrata John Kerry em 2004. Já McCain tem sérias dificuldades nos Estados que votaram em Bush há quatro anos. "Se Obama mantiver os Estados de Kerry, está agora encaminhado para obter votos eleitorais suficientes para conquistar a Casa Branca", disse o estatístico John Zogby. "(Os estados mais acirrados) são todos Estados republicanos, e McCain tem um duríssimo desafio, mas estão todos muito apertados". Obama lidera por 7 pontos na Virgínia (52-45), 4 na Carolina do Norte (50-46) e 2 em Missouri (48-46).   Em Nevada, o crescimento populacional (especialmente de hispânicos) e a crise econômica aparentemente impulsionaram Obama, que lidera por 48 a 44%. Ele também tem 5 pontos de vantagem (50-45) em Ohio, Estado que em 2004 decidiu a eleição em favor de Bush. Já as esperanças democratas de capturar Indiana, Estado tradicionalmente republicano, parecem cada vez mais remotas. Ali, McCain lidera por 50 a 44%. Na Virgínia Ocidental, a vantagem para o republicano é ainda maior - 50 a 40% - depois de algumas pesquisas sugerirem que a disputa poderia se acirrar. Potencialmente decisiva, a Flórida deve receber grande atenção dos candidatos nesta reta final. Obama fará na quarta-feira um comício em Orlando ao lado do ex-presidente Bill Clinton.   Na última pesquisa nacional, Obama tem 13 pontos percentuais de vantagem entre os eleitores independentes e 12 pontos entre as mulheres. McCain lidera entre os brancos (54 a 41%), mas Obama tem mais penetração partidária - atraiu 19% dos conservadores, enquanto McCain conquistou apenas 5 por cento dos liberais. O independente Ralph Nader e o libertário Bob Barr receberam 1% cada na pesquisa nacional. Ainda há 2 por cento de indecisos.   A pesquisa nacional ouviu 1.203 prováveis eleitores entre sexta-feira e domingo. Nesse tipo de pesquisa telefônica, a parte mais antiga da amostra é diariamente substituída por novas entrevistas, o que permite identificar tendências.   No sistema eleitoral norte-americano, o vencedor em cada Estado leva todos os votos para o Colégio Eleitoral, segundo o peso populacional de cada Estado (exceto em Maine e Nebraska, onde há também uma divisão por distritos eleitorais). Vence quem conseguir 270 delegados no Colégio. As pesquisas nos Estados foram feitas entre quinta-feira e domingo, com amostras de 600 a 603 prováveis eleitores em cada Estado. A margem de erro é de 4,1 pontos percentuais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.