Obama mantém parciais acima dos 51% nas pesquisas

A 14 dias das eleições, sondagem chega a dar 9 pontos de vantagem para o candidato democrata à presidência

Efe e Reuters,

21 de outubro de 2008 | 09h22

A duas semanas da eleição presidencial americana, o candidato democrata Barack Obama mantém, segundo as últimas pesquisas, a liderança com mais de 50% das intenções de voto. Com vantagem média de seis pontos, Obama aproveita as arrecadações recorde - em setembro chegaram a US$ 150 milhões - para intensificar sua presença em Estados considerados republicanos e obrigaram seu rival John McCain a gastar dinheiro para tentar sobreviver em lugares onde sua vitória estava garantida.   Veja também: Obama suspende campanha para visitar avó doente Sem verbas públicas, Obama sai fortalecido  Powell pode integrar futuro governo democrata, diz Obama Obama mantém vantagem sobre McCain, mas diferença cai Confira os números das pesquisas nos Estados  Obama x McCain  Entenda o processo eleitoral   Cobertura completa das eleições nos EUA   Segundo a sondagem diária divulgada pela Reuters/C-SPAN/Zogby nesta terça-feira, 21, Obama abriu 8 pontos percentuais de vantagem sobre John McCain. O democrata aparece com 50% da preferência dos prováveis eleitores, contra 42% de McCain. A vantagem aumentou se comparada com os 6 pontos percentuais de frente registrados por Obama na segunda-feira. A mais recente pesquisa divulgada pela CNN, também nesta terça, mostra uma vantagem menor do democrata. A diferença de Obama sobre seu rival cai para cinco pontos percentuais (51% contra 46%)   Segundo a enquete publicada no The Washington Post, o democrata abre nove pontos de vantagem (53% contra 44%). Cerca de 55% dos perguntados acreditam que Obama entende melhor os problemas econômicos dos americanos, acrescentou a pesquisa. Já 36% afirmam que McCain compreende essas dificuldades melhor.   Segundo a CNN, uma das razões para a queda na diferença entre os dois candidatos seria o fato de que menos americanos consideram agora que McCain seguirá as mesmas políticas do atual presidente, George W. Bush. A emissora indicou que na enquete anterior, 56% dos americanos pensavam que McCain daria continuidade ao atual governo republicano, e essa porcentagem agora é de 49%.   O instituto Zogby, que aponta oito pontos de vantagem, dia que o apoio de Obama os republicanos subiu de 9 para 12%, após o democrata receber o apoio de Colin Powell, ex-secretário de Estado do presidente George W. Bush. "Talvez esse seja o efeito Powell", disse o especialista em pesquisas John Zogby. "Isso não foi só um apoio, foi uma declaração bastante poderosa". O senador por Illinois, aumentou sua vantagem entre grupos-chave do eleitorado norte-americano. Ele tem agora 15 pontos de frente entre os independentes, contra 11 no levantamento anterior. Sua liderança entre o eleitorado feminino foi de 8 para 13 pontos. A pesquisa, feita junto a 1.214 pessoas, tem margem de erro de 2,9 pontos percentuais.   Segundo Keating Holland, diretor da empresa que realizou a pesquisa para a CNN, essa queda seria resultado direto dos esforços do candidato republicano em se distanciar do governo Bush no terceiro e último debate presidencial. "Parece que McCain convenceu um bom número de americanos de que suas políticas seriam diferentes das de Bush", assinalou. "Sua próxima tarefa será a de convencer que suas políticas serão melhores que as de Bush e, na economia, pelo menos, essa será uma tarefa muito complexa", previu.   A pesquisa CNN indicou que 53% dos americanos acreditam que Obama terá resultados melhores que McCain (38%) na solução dos problemas da frente econômica. "A economia continua sendo o principal problema, e os americanos parecem confiar mais em Obama neste aspecto", disse Holland. A sondagem ouviu 1.058 adultos americanos por telefone e tem uma margem de erro de 3,5% para mais ou para menos, segundo a CNN.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.