Obama não anuncia futuro gabinete 'para evitar erros'

Na 1.ª coletiva, presidente eleito não dá pistas de novo governo para não cometer 'decisões precipitadas'

Da Redação, com agências internacionais,

07 de novembro de 2008 | 18h33

Em sua primeira coletiva de imprensa na tarde desta sexta-feira, 7, o presidente americano eleito, Barack Obama, disse que não anunciará os nomes de seu gabinete rapidamente "para não cometer erros". Assim como na campanha presidencial, a economia foi o foco da entrevista. "Estamos diante do maior desafio econômico de nosso tempo. Tomarei todos os passos necessários para enfrentar essa crise", afirmou. Era esperado que Obama anunciasse ainda nesta sexta os nomes do Secretário do Tesouro e de Estado.  Foto: Reuters Veja também: Além da "obamamania"Obama nomeia deputado para transição Nomes cotados para o gabinete de ObamaEspecial: Quem são os eleitores de Obama   Especial: Festa por mudança Veja o perfil do novo presidente Trajetória de Obama  Estadao.com.br na terra dos ObamasDiário de bordo da viagem ao Quênia Veja a apuração das eleiçõesCobertura completa das eleições nos EUA Obama deixou claro que o presidente George W. Bush é o único responsável pela administração até 20 de janeiro, quando passará o cargo para o democrata. Após uma reunião com um amplo grupo de assessores econômicos em Chicago, Obama disse que a aprovação do segundo pacote de estímulo à economia, que está sendo montado no Congresso pelos democratas para socorrer a classe média, "é a primeira coisa que eu farei como presidente dos EUA". Ele enfatizou a urgência do segundo pacote, que "precisa passar antes ou após a posse." "Não vai ser rápido ou fácil sair deste buraco", alertou o novo comandante-em-chefe, ressaltando, porém que "um novo presidente pode fazer muito para restabelecer a confiança". O deputado Rahm Emanuel, que será o chefe de gabinete do governo Obama, acompanhou a coletiva, assim como o vice-presidente eleito dos EUA, Joe Biden. Obama revelou ainda que falou com o presidente Bush e agradeceu "seu compromisso para assegurar que sua equipe econômica vai nos manter plenamente informados dos desenvolvimentos que ocorrerem". Ele deve visitar a Casa Branca na segunda-feira, acompanhado da sua esposa Michelle. Obama terá um reunião com Bush para discutir a crise financeira mundial e a situação militar no Iraque e no Afeganistão.  Irã Quando questionado por ter recebido uma carta do presidente do Irã, Obama reiterou que as tentativas do governo iraniano de desenvolver um programa de armamento nuclear são "inaceitáveis" e o país deve pôr fim ao apoio ao terrorismo. Ele prometeu que estudará cuidadosamente a carta de felicitação enviada por Mahmoud Ahmadinejad, e responderá "de maneira adequada." "Não é algo que possamos fazer de forma superficial, temos que pensar isso", ressaltou o presidente eleito. Obama não quis mostrar que propostas precisas têm para tratar com o Irã e se limitou a lembrar que a pessoa no comando é ainda Bush. "Só temos um presidente ao mesmo tempo", declarou. "Eu não sou o presidente ainda e não serei até 20 de janeiro." Na última quinta-feira, Ahmadinejad cumprimentou Obama por sua vitória, na primeira ocasião em que um dirigente iraniano tem um gesto do tipo desde 1979. A carta, segundo a agência iraniana Irna, expressa o desejo de que o próximo presidente "sirva a seu povo e deixe um bom nome para a história" durante seu mandato. Novo mascote Obama disse ainda que comprar um cachorrinho para suas filhas, conforme havia prometido durante a campanha, para quando sua família se mudar para a Casa Branca "é um assunto central". Sorrindo, o presidente eleito afirmou que o fato dele ter mencionado na noite da eleição que estava procurando um mascote para Malia e Sasha está gerando grande interesse. "Malia é alérgica, então ele tem que ser hipo-alérgico", brincou. (Matéria atualizada às 20h35) 

Tudo o que sabemos sobre:
Barack Obamaeleições nos EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.