Obama nomeia George Mitchell enviado para Oriente Médio

Holbrooke será enviado para Paquistão e Afeganistão; presidente pede abertura das fronteiras de Gaza

Agências internacionais,

22 de janeiro de 2009 | 18h15

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, nomeou nesta quinta-feira, 22, o ex-senador George Mitchell como enviado para o Oriente Médio, anunciou a secretária de Estado Hillary Clinton em entrevista coletiva conjunta com o novo chefe de Estado e seu vice-presidente, Joe Biden. O ex-embaixador na ONU Richard Holbrooke também foi nomeado enviado especial para o Paquistão e Afeganistão. Durante a apresentação, realizada no Departamento de Estado, Obama ressaltou que os EUA estão "comprometidos com a segurança em Israel", mas que as fronteiras com a Faixa de Gaza têm que ser abertas. Seria "intolerável um futuro sem esperança para o povo palestino", avaliou.

 

Holbrooke, Obama, Hillary, Biden e Mitchell durante coletiva no Departamento de Estado. Foto: AP

 

Veja também:

linkPara Hamas, Obama não representa mudança

linkHillary promete nova era na política externa dos EUA

linkObama ordena o fechamento de Guantánamo em 1 ano

linkObama congela salários de assessores da Casa Branca

linkCom Obama, surge a Casa Branca 2.0

linkCobertura especial da posse no blog

linkÍntegra do discurso de posse de Obama

linkO que você achou das roupas de Michelle? forum

linkTV Estadão: Celso Lafer fala sobre a posse 

linkVeja galeria de fotos da festa mais imagens

linkA vida de Barack Obama em imagens mais imagens

linkImagens da família Obama mais imagens  

 

Obama disse que enviará Mitchell para a região "o quanto antes", para tentar um acordo de paz entre israelenses e palestinos. "Será a política da minha administração procurar de forma ativa e agressiva uma paz duradoura entre Israel e seus vizinhos árabes", afirmou.

 

Supervisionados por Hillary, os novos nomes contrastam com os neoconservadores que dominaram a diplomacia no governo Bush, segundo o jornal The Guardian.  Os indicados de Obama seriam menos propensos a usar a força no cenário internacional e favoreceriam acordos multilaterais. 

 

Sobre o recente conflito em Gaza, o novo presidente insistiu ainda que ambos os lados devem manter a trégua atual. Para o Hamas, Obama pediu que o grupo deixe de lançar foguetes, enquanto a Israel o democrata recomendou a conclusão da retirada de suas forças em Gaza.

 

"Os Estados Unidos e nossos parceiros apoiarão um regime anticontrabando e com credibilidade para que o Hamas não possa se rearmar", disse o chefe de Estado, expressando seu compromisso para uma solução que permita que os dois Estados, israelense e palestino, "vivam em paz."

 

Novos nomes

 

Mitchell teve um papel discreto, mas decisivo, nos anos 90, durante as negociações de paz entre protestantes e católicos na Irlanda do Norte, um dos conflitos mais sangrentos do século XX, enquanto Holbrooke foi responsável pelos acordos nos Bálcãs.

 

O ex-senador citou sua experiência como mediador na Irlanda do Norte, onde, segundo disse, "antigos inimigos conseguiram chegar a um acordo quase 800 anos depois". "Para conseguir a paz no Oriente Médio, será necessário aplicar capital político, recursos econômicos e a atenção muito cuidadosa das mais altas esferas dos Governos", disse Mitchell.

 

O ex-presidente dos EUA Bill Clinton nomeou o ex-senador em 1996 como seu enviado pessoal para que intermediasse as conversas de paz na Irlanda do Norte, e ele conseguiu, junto com outros envolvidos, o acordo da Sexta-Feira Santa.

 

Por sua vez, Holbrooke, prometeu que fará "tudo o que puder" para atingir as metas dos EUA no Afeganistão e no Paquistão. Esses dois países "são muito diferentes em sua geografia e em sua história, mas misturados em sua composição étnica, geograficamente e no drama político atual", declarou.

 

Holbrooke disse ainda que no Afeganistão trabalhará estreitamente com o chefe do Comando Central do Estado-Maior americano, o general David Petraeus, e com outros altos comandantes das Forças Armadas. Sobre o Paquistão, o novo enviado especial reconheceu que a situação no país "é infinitamente complexa". Além disso, ressaltou que respeita "completamente as tradições" dessa nação, embora tenha feito referência "às perigosas turbulências" nas áreas tribais da fronteira com o Afeganistão.

Tudo o que sabemos sobre:
Barack ObamaEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.