AP
AP

Obama nomeia senador republicano Judd Gregg para Comércio

Político de New Hampshire é o 3.º oposicionista escolhido para o governo; indicada para reforma fiscal desiste

Agências internacionais,

03 de fevereiro de 2009 | 14h10

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, apresentou nesta terça-feira, 3, o senador por New Hampshire Judd Gregg como sua escolha para o posto de secretário de Comércio. Caso seja confirmado pelo Senado, o senador será o terceiro republicano a integrar o gabinete do presidente democrata. Já fazem parte da equipe os republicanos Ray LaHood, secretário de Transportes, e o titular da Defesa, Robert Gates.

 

Veja também:

linkO gabinete do presidente eleito 

 

"Neste momento em que navegamos por essa tempestade em que se transformou nossa economia, não posso pensar em um melhor capitão que Judd Gregg", disse Obama. O presidente destacou ainda que Gregg "conhece de todos os ângulos o que faz com que a economia funcione", e domina "cada faceta da política pública". "O senador e eu não concordamos em tudo, como por exemplo quem deveria ter vencido as eleições presidenciais, mas estamos de acordo em que os Estados Unidos precisam de uma economia que funcione", brincou o chefe de Estado. Este era o último cargo vago no primeiro escalão da administração Obama.

 

Gregg, um conservador na política fiscal e o mais graduado republicano no Comitê de Orçamento do Senado, disse em comunicado divulgado mais cedo na segunda-feira que só aceitaria chefiar a secretaria com a condição de que o governador de New Hampshire, John Lynch, o substituísse por outro membro do Partido Republicano. Assim seria mantida a atual divisão entre os partidos no Legislativo. Em vários dos Estados norte-americanos, o governador tem a prerrogativa de indicar o sucessor de um senador, em caso de cargo vago.

 

"Eu deixei claro à liderança no Senado dos dois lados do espectro político e ao governador que não deixaria o Senado se sentisse que minha partida iria causar uma mudança na correlação de forças no Senado", afirmou Gregg. "A liderança no Senado, tanto a democrata quanto a republicana, e o governador entenderam essa preocupação e eu agradeço a consideração deles por essa posição."

 

A primeira opção de Obama para o posto de secretário de Comércio, o governador de Novo México, Bill Richardson, desistiu da disputa. Richardson foi envolvido em uma investigação sobre uma empresa que fez negócios com seu Estado. O governador afirma ser inocente, mas disse que a investigação poderia atrasar o processo de confirmação de seu nome, o que atrapalharia a nova administração do país.

 

Desistência

 

Ainda nesta terça, Nancy Killefer, indicada para o posto de diretora de desempenho, responsável por conduzir o esforço de sua administração em combater os gastos desnecessários, retirou seu nome da consideração para o cargo, informou a Casa Branca, confirmando que o governo Obama aceitou sua saída. Nancy deixou por um ano e meio de pagar impostos por manter uma empregada doméstica.

 

A indicada confirmou que está retirando sua candidatura para supervisionar o orçamento dizendo não desejar que seus impostos se tornem uma fonte de "distração". Em uma carta ao presidente, Nancy disse entender que as tarefas de monitorar o orçamento são urgentes e qualquer atraso deve ser evitado. Com isso, ela "relutantemente" retirava seu nome.

 

O gabinete de Obama já enfrentou dois casos de indicados pelo presidente com problemas de impostos. Tom Daschle, escolhido para comandar a reforma do sistema de saúde do país, deixou de pagar mais de 128 mil dólares em impostos. O secretário do Tesouro, Timothy Geithner, também enfrentou críticas após sua indicação por atrasar o pagamento de US$ 34 mil em impostos.

Tudo o que sabemos sobre:
Barack ObamaJudd GreggEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.