Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Obama planeja ações ambiciosas em sua primeira semana

Presidente eleito deve começar a trabalhar rapidamente e anunciar ordens executivas após a posse, diz CNN

Agências internacionais,

19 de janeiro de 2009 | 15h36

Em seu primeiro dia de trabalho na Casa Branca, o presidente americano eleito Barack Obama irá se encontrar com seus altos assessores econômicos. A reunião de quarta-feira, 21, será parte das medidas imediatas para colocar a crise econômica como prioridade da agenda do novo comandante-em-chefe do país, informou a rede CNN.   Veja também: Obama promete 'renovar a promessa' do sonho americano Contas no vermelho são parte da herança maldita de Bush De saída, Bush telefona para se despedir de líderes mundiais Dez lições de Bush para Obama  Veja o programa da posse de Barack Obama Galeria de fotos do show  Cronologia de Barack Obama  Imagens da família Obama    Segundo três assessores do democrata, ele planeja uma ambiciosa primeira semana, que incluirá também outras ações, como um encontro com assessores militares para mudanças na missão no Iraque, indicação de pelo menos um enviado especial no Oriente Médio para lidar rapidamente com a crise política e ordens executivas para questões relacionadas ao meio ambiente e detenção de suspeitos de terrorismo.   Ainda de acordo com a emissora americana, enquanto Obama estiver participando da cerimônia de posse na terça-feira, sua equipe já estará sendo transportada para a Casa Branca para começar a trabalhar.   Segundo a CNN, a equipe de Obama deverá priorizar neste início de governo os esforços para a passagem no Congresso do plano econômico de estímulo de US$ 825 bilhões. De acordo com um assistente do presidente eleito, as ordens executivas não serão anunciadas já na terça-feira para "não ofuscar o primeiro dia" da histórica administração do primeiro presidente negro dos EUA.   "Teremos um ano duro", afirmou Obama em entrevista à CNN na sexta-feira. "Acredito que nenhum economista discorda que estamos na pior crise econômica desde a Grande Depressão. A boa notícia é que estamos chegando a um consenso do que deve ser feito."

Tudo o que sabemos sobre:
Barack ObamaEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.