Obama promete rebater agressões de Hillary

Hillary atribuí vitória em prévias na terça a ataques contra Obama; partido teme que disputa favoreça McCain

06 de março de 2008 | 15h48

A longa disputa entre Hillary Clinton e Barack Obama, pré-candidatos democratas à Presidência dos EUA, deve adotar um tom mais agressivo. Obama ameaçou atacar a base da campanha da senadora e pedir a divulgação da declaração de imposto de renda de Hillary. Ela estava relutante em divulgar os dados de sua declaração antes, provavelmente por temer que os eleitores vejam sua vida financeira, informou o The Guardian. Veja também:Após vitórias, Hillary sugere candidatura conjunta com ObamaMcCain busca agora candidato a viceJohn McCain consegue a nomeação republicanaBarack Obama tem vitória fácil em VermontObama lembra que ainda mantém vantagem Para Hillary, vitórias vão 'recuperar' campanhaConfira a disputa em cada Estado Conheça a trajetória dos candidatos Cobertura completa das eleições nos EUA   A campanha de Hillary atribui as vitória da senadora em Ohio, Texas, Rhode Island e Vermont, na terça-feira, 4, à seus discursos agressivos contra Obama na semana passada, que o obrigou a ficar na defensiva. O prospecto de uma longa campanha entre os democratas está causando muita preocupação dentro do partido, que teme que a intensa troca de acusação entre os dois pré-candidatos possa favorecer a candidatura de John McCain, candidato Republicano. Apesar das últimas vitórias da senadora, ela ainda não alcança Obama, que lidera a disputa Democrata - seu resultado nas primárias de terça renderam-lhe o apoio de apenas 12 delegados a mais do que Obama conseguiu. "Nós temos uma liderança incontestável", disse o pré-candidato democrata em entrevista às redes televisivas dos EUA. "Estamos muito confiante de que podemos ganhar a nomeação as eleições gerais", acrescentou. Com as probabilidades contra Hillary, sua últimas vitórias trouxeram um novo vigor à sua campanha, levando-a com confiança às importantes primárias do grande Estado da Pensilvânia, em 22 de abril, onde dificilmente a disputa se decidirá. Segundo o Guardian, a campanha da senadora já indica que manterá as táticas agressivas. Nesta quinta-feira, 6, a pré-candidata fará um discurso num evento, enfatizando a falta de experiência de Obama na segurança nacional. Atualmente, Obama possui o apoio de 1.562 delegados, enquanto Hillary conquistou o voto de 1.461. Para a indicação do partido, o candidato precisa obter 2.025 delegados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.