Obama promete tirar recursos da guerra para a economia

Em novo anúncio, candidato democrata promete tirar US$ 10 bi mensais do Iraque para a crise financeira

Agência Estado e Dow Jones,

17 de setembro de 2008 | 12h27

Com discurso em estilo presidencial, o candidato democrata à Casa Branca, Barack Obama, prometeu nesta quarta-feira, 17, acabar com a cultura de "vale tudo" de Wall Street e tirar US$ 10 bilhões mensais gastos com a guerra no Iraque para recuperar a economia americana. Em novo anúncio de campanha, o senador diz que pretende unir as diferentes correntes políticas americanas com o objetivo comum de resgatar a economia dos Estados Unidos, mas salienta que uma reforma profunda "não será fácil".   Veja também: Pesquisa mostra Obama na frente de John McCain Obama x McCain Entenda o processo eleitoral   Cobertura completa das eleições nos EUA    O anúncio de TV vem à tona apenas algumas horas depois de o Federal Reserve Bank, o banco central dos Estados Unidos, ter resgatado a gigante AIG, na maior e mais recente intervenção promovida com o objetivo de impedir um choque econômico global. De acordo com a campanha de Obama, a propaganda eleitoral será veiculada nas TVs a cabo de alcance nacional e nos Estados onde a disputa é mais acirrada.   "Nas últimas semanas, Wall Street foi abalada pelo fechamento de bancos e pela turbulência nos mercados", disse o senador por Illinois, dirigindo-se diretamente para a câmera em um novo e incomumente longo anúncio de campanha de dois minutos de duração. "Mas para muitos de vocês - pessoas que eu conheci em câmaras, quintais e jantares por toda a América - as dificuldades pelas quais passa nossa economia não são novidade", prossegue Obama.   Na mensagem, Obama fala sobre seus planos de reduzir a carga tributária para a classe média, diminuir a dependência energética dos EUA e restringir a atuação dos lobistas. Ele observa que este ano 600 mil americanos perderam o emprego, o nível de renda ficou estagnado, os preços aumentaram e o valor dos imóveis desabou antes de dizer: "Isso não é apenas um momento de má sorte. A verdade é que enquanto você cumpre com suas responsabilidades, Washington não faz o mesmo. É por isso que precisamos de mudança. Mudança de verdade. Este não é um momento comum e esta não deve ser vista como uma eleição como outra qualquer".

Tudo o que sabemos sobre:
eleições nos EUABarack Obama

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.