Obama reforça divisão racial nos EUA, diz PC chinês

Partido Comunista afirma que democrata reforçou o sentimento de superioridade dos brancos no país

Ansa,

16 de junho de 2008 | 13h50

O Jornal do Povo, veículo de imprensa do Partido Comunista Chinês, publicou nesta segunda-feira, 16, um artigo com críticas ao candidato democrata às eleições dos Estados Unidos, Barack Obama. Segundo o periódico, "Obama não abriu uma brecha no sentimento de superioridade dos Estados Unidos branco, mas pelo contrário, sua ascensão reforçou" a sensação.   Veja também: Cubanos apostam em Obama para mudanças na postura dos EUA Obama x McCain  Conheça a trajetória dos candidatos Cobertura completa das eleições nos EUA    O jornal comunista ainda minimiza a importância de que Obama seja negro. "Mais que defini-lo como um representante da harmonia racial que reina nos Estados Unidos, seria melhor chamá-lo de símbolo da assimilação", afirmou.   As declarações sobre a guerra do Iraque e outras questões polêmicas como o preconceito racial foram publicadas na seção internacional da publicação, onde além de Obama, o rival republicano John McCain também foi alvo de críticas.   Segundo o jornal, Obama condenou a guerra no Iraque, mas "foi menos claro" sobre as datas e estratégias de retirada das tropas americanas do país. Envolvendo também o nome de McCain, o artigo afirma que os dois candidatos "apresentarão suas reformas e ambos terão os mesmos problemas, será difícil diferenciar um do outro".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.