Obama supera Hillary nas primárias do Mississippi

Senador garante a 2.ª vitória seguida desde as derrotas em Ohio e Texas no Estado com maior eleitorado negro

Agências internacionais,

12 de março de 2008 | 01h26

O senador Barack Obama ganhou nesta terça-feira, 11, as primárias democratas no Mississippi, o Estado com o maior eleitorado negro dos EUA, ampliando sua vantagem sobre a senadora Hillary Clinton no total de delegados para a convenção partidária de agosto. Obama obteve 61% (garantindo pelo menos 17 dos 33 delegados em jogo) e Hillary, 37% (11 delegados).  Veja também:Obama descarta chapa conjunta com HillaryAssessora de Obama se demite após chamar Hillary de 'monstro' Obama e Hillary se enfrentam no Mississippi, e então descansam McCain aproveita trégua republicana para ampliar doaçõesConfira a disputa em cada Estado  Conheça a trajetória dos candidatos Cobertura completa das eleições nos EUA As prévias foram abertas: mesmo quem não era eleitor democrata podia participar. Segundo pesquisa de boca-de-urna da TV CNN, 91% dos eleitores negros do Estado votaram em Obama, enquanto cerca de 70% dos brancos votaram em Hillary. Esta foi a segunda vitória seguida de Obama (que triunfou sábado em Wyoming) desde sua derrota para Hillary no Texas e em Ohio. Agora as atenções se voltam para as primárias de 22 de abril na Pensilvânia, onde estarão em jogo 158 delegados. Segundo contagem da CNN, até as prévias de terça-feira, Obama tinha 1.597 delegados e Hillary, 1.470. São necessários 2.025 para ser designado candidato democrata à presidência.  Nenhum dos dois deverá alcançar esse número, o que poderá levar a disputa a ser decidida pelos chamados superdelegados, um grupo de notáveis do Partido Democrata formado por desde ex-presidentes, como Jimmy Carter e Bill Clinton, até prefeitos, congressistas e gerentes de campanha.  Do lado republicano, John McCain venceu as prévias de seu partido no Mississippi, com 79% dos votos. Ele já garantiu a vitória na disputa pela candidatura presidencial republicana.  Em entrevista à rede CNN, Obama agradeceu ao "apoio maravilhoso" que recebeu dos eleitores do Mississippi. Segundo a BBC, com a conquista, Obama passa a acumular um total de 26 vitórias, contra 16 da senadora Hillary Clinton, sua rival na disputa para ser o candidato democrata para a Casa Branca.  Renascimento A despeito da derrota desta terça, Hillary conseguiu no último dia 4 de março, ao menos momentaneamente, conter a crescente projeção de Obama. Na ocasião, a campanha da senadora vinha sendo dada como morta e a indicação de Obama como o candidato democrata já era dada como certa. As conquistas da senadora no Texas, em Ohio e em Rhode Island contiveram o avanço do senador e fizeram renascer a sua campanha.  Tanto Hillary como seu marido, o ex-presidente Bill Clinton, e sua filha, Chelsea Clinton fizeram campanha no Mississippi, mas uma vitória de Obama no Estado já era aguardada.  A senadora passou esta terça no Estado da Pensilvânia, que realiza a sua primária no próximo dia 22 de abril. Entre as próximas etapas da corrida eleitoral, a Pensilvânia é o Estado que oferece o maior número de delegados, um total de 158.  Polêmica No mesmo dia em que um dos Estados americanos com o maior número de eleitores afro-americanos foi às urnas, a campanha de Hillary Clinton se viu envolvida em uma polêmica ligada à questão racial. Geraldine Ferraro, a primeira mulher a concorrer à vice-presidência dos Estados Unidos, em 1984, e que integra a campanha de Hillary, afirmou, em uma entrevista, que se Obama ''fosse um homem branco, ele não estaria na atual posição''.  Hillary Clinton disse lamentar os comentários e afirmou que não concordava com eles. Obama qualificou as afirmações de Geraldine Ferraro como ''absurdas'' e seus correligionários exigiram que ela seja afastada da campanha de Hillary.  Na semana passada, Samantha Power, que assessorava Obama em temas de política internacional, pediu demissão após um jornal escocês ter publicado um comentário feito por ela, segundo o qual Hillary Clinton era ''um monstro'', capaz de tudo para obter a indicação democrata.  Matéria ampliada às 7h30.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.