Obama tem 5 pontos de vantagem sobre McCain, diz pesquisa

Sondagem diz que senador aparece à frente de republicano também entre eleitores independentes e mulheres

Reuters,

18 de junho de 2008 | 12h26

O candidato democrata à Presidência dos EUA,  Barack Obama, possui uma pequena vantagem de 5 pontos percentuais sobre seu adversário republicano, John McCain, mas tem uma dianteira importante entre os eleitores independentes e as eleitoras do sexo feminino, grupos esses considerados cruciais, revelou nesta quarta-feira, 18, a pesquisa Reuters/Zogby.   Veja também: Hillary e Obama planejam encontro para acalmar doadores Possíveis vice-candidatos para Obama Possíveis vice-candidatos para McCain Obama x McCain  Conheça a trajetória dos candidatos Cobertura completa das eleições nos EUA    Duas semanas depois de ter conquistado a vaga democrata e de ter iniciado sua campanha nacional, Obama aparece à frente de McCain com 47% das intenções de voto contra 42%. A vantagem é um pouco menor do que a de 8 pontos percentuais verificada em maio, antes de a senadora Hillary Clinton ter abandonado a disputa.   Obama, no entanto, aparece com 52% das intenções de voto contra 30% para McCain entre os independentes e com 51% contra 36% entre as mulheres - dois grupos fundamentais e capazes de determinar o vencedor da eleição presidencial de novembro.   "A vantagem significativa de Obama entre os independentes o coloca em uma posição confortável, e isso significa um problema para McCain", disse o especialista em pesquisas John Zogby. "McCain terá de conquistar eleitores independentes, em alguma medida para vencer. E, neste momento, há um longo caminho a percorrer."   Obama, 46, ainda precisa superar dúvidas a respeito de sua relativa falta de experiência, mostrou a pesquisa. Mais da metade dos entrevistados concordou com as críticas de que o senador pelo Estado de Illinois, em primeiro mandato, não possui a experiência necessária para comandar o país.   Dúvidas a respeito da idade de McCain - que terá 72 anos em agosto e se tornaria o homem mais velho a tornar-se presidente dos EUA em um primeiro mandato - não reverberam com tanta intensidade entre os eleitores, descobriu a pesquisa. Quase dois terços deles discordavam da idéia de que a idade do republicano desempenharia algum papel na disputa presidencial.   "A questão da experiência é um obstáculo para Obama. Mas, até agora, os eleitores parecem estar pensando em outras coisas, coisas como o desejo de mudar", afirmou Zogby. "A idade é uma questão para McCain, mas não parece ser um problema muito grande."   Obama, que pode se transformar no primeiro negro a ocupar a Presidência dos EUA, venceu, no começo de junho, a intensa batalha pela vaga do Partido Democrata nas eleições nacionais. McCain havia conquistado a vaga republicana em março. Mas o candidato democrata não viu sua vitória traduzir-se em popularidade. Após a longa disputa interna, os eleitores já estão familiarizados com os candidatos e os encaram segundo certos padrões, disse Zogby. "A corrida está começando de forma muito apertada. E, caso não ocorra nada muito dramático, continuará assim até perto do final", afirmou.   A pesquisa nacional entrevistou 1.113 eleitores em potencial, entre quinta-feira e sábado. A margem de erro é de 3 pontos percentuais.

Tudo o que sabemos sobre:
eleições nos EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.