Obama tem vantagem de apenas 3% sobre McCain, diz pesquisa

Eleitorado castiga democrata por mudança de discurso em temas-chave de sua campanha para atrair votos

Agências internacionais,

14 de julho de 2008 | 07h38

O candidato democrata à Presidência dos Estados Unidos, Barack Obama, perdeu a vantagem de 15 pontos sobre o rival republicano, John McCain. Segundo recente pesquisa da revista Newsweek, que há menos de um mês mostrou o senador de Illinois à frente nas pesquisas, assegura que a diferença entre ambos caiu para apenas três pontos: 44% dos eleitores apóiam Obama, enquanto 41% respalda McCain.   Veja também: Obama diz que não está indo para o centro Obama x McCain  Conheça a trajetória dos candidatos Cobertura completa das eleições nos EUA    Outras recentes pesquisas mostram a redução da diferença entre o democrata e o republicano. Segundo a Gallup, que faz um acompanhamento diário, no sábado a liderança de Obama estava em 46% contra 43% de McCain. A diferença é insignificante do ponto de vista estatístico, disse a revista em seu site. Quinze por cento dos eleitores ainda estão indecisos.   A quatro meses das eleições presidenciais, a nova pesquisa mostra ainda que 53% dos eleitores - incluindo os simpatizantes de Hillary Clinton - consideram que Obama mudou sua posição em relação a questões centrais a fim de ganhar vantagem política, disse a revista.   Na última sondagem apresentada pela Newsweek, Obama aparecia com 51% da preferência do eleitorado, bem distante dos 36% de McCain. Além da alteração no discurso, alguns apoiadores de Obama estão preocupados se o modo como o senador apóia sua ex-rival, Hillary Clinton, e se suas viagens para arrecadar fundos de campanha prejudicaram a imagem de agente da mudança para o país.   A sondagem mostra ainda que o eleitorado branco ainda é um desafio para Obama. McCain lidera com 48% contra 36% dos votos. Segundo a revista, essa diferença pode ser explicada pela confusão com a identidade religiosa do democrata; 26% acreditam que ele é muçulmano e 39% que o senador freqüentou escolas islâmicas enquanto viveu sua infância na Indonésia - nenhum dos fatos é verdade.   A última pesquisa da Newsweek foi realizada pelo instituto Princeton Survey Research Associates entre 9 e 10 de julho com 1.209 pessoas. A margem de erro de 3 pontos percentuais para mais ou para menos.   (Com Reuters)   Matéria atualizada às 08h50.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.