Obama vence em Carolina do Norte; Hillary leva Indiana

Resultados levam a decisão da disputa democrata para junho, mas senador continua sendo o favorito

Agências internacionais,

06 de maio de 2008 | 20h37

O senador Barack Obama foi o vencedor das primárias da Carolina do Norte. Já Hillary Clinton levou Indiana, outro Estado a realizar prévias nesta terça-feira, 6. A confirmação dos resultados reafirma as pesquisas das últimas semanas e leva a decisão da indicação do partido para junho, estendendo mais uma vez a batalha democrata.  Veja também:Escritórios de Obama são esvaziados após ameaças de bombaDisputa entre democratas deve seguir até junho, diz especialista Os colhões de Hillary Clinton, a lutadora Confira a disputa em cada Estado Conheça a trajetória dos candidatos  Obama obteve 56% dos votos na Carolina do Norte (onde 115 delegados estavam em jogo), enquanto Hillary ficou com 42%. "Esta é uma vitória contra as políticas de divisão e distração", festejou o senador em Raleigh. Em Indiana (com 72 delegados), Hillary venceu por 51% a 49%. Apesar do resultado apertado, Hillary celebrou: "Graças a vocês, vamos a toda velocidade para a Casa Branca", disse ela a partidários em Indianápolis, ressaltando que não abandonará a disputa, apesar do favoritismo de Obama. Com os resultados desta terça-feira, Obama tem agora 1.876 delegados dos 2.025 necessários para levar a indicação democrata. Hillary está com 1.729. O resultado das disputas desta terça-feira justificam a permanência da senadora por Nova York na corrida democrata, apesar de Obama contar com mais votos populares e maior apoio de delegados. Em um pronunciamento logo após as projeções da imprensa americana apontarem sua vitória, o senador agradeceu o apoio de Carolina do Norte e parabenizou a ex-primeira dama por sua vitória em Indiana. "Não podemos deixar que John McCain dê um terceiro mandato a George W. Bush. Nós precisamos de uma mudança na América", acrescentou. Obama classificou seu resultado na Carolina do Norte como uma "vitória contra as políticas de divisões e distrações." Hillary também parabenizou seu rival e disse que ambos estão na mesma jornada. Em seu discurso ainda em meio a apuração do resultado das prévias, a senadora falou de economia e destacou o problema do preço dos combustíveis. "Eu acho que os EUA precisam de um presidente que apóie a classe média e os trabalhadores", disse. A senadora acrescentou que não importa o que acontecer, trabalhará pelo nomeado do Partido Democrata, e disse que sabe que Obama fará o mesmo. A senadora agradeceu o voto de confiança da população de Indiana, o apoio do marido Bill Clinton e sua filha Chelsea. Hillary ainda se solidarizou com as vítimas do ciclone em Mianmar. "Nos vemos em Virgínia do Oeste e Kentucky", disse a ex-primeira-dama, acrescentando que quer os votos de Flórida e Michigan - Estados nos quais as primárias foram anuladas porque os diretórios estaduais as anteciparam demais, desobedecendo a direção nacional. Em ambas as prévias, a vitória foi de Hillary.  Pesquisas em Indiana e Carolina do Norte apontaram um grande número de eleitores nas duas primárias, o que pode ser um fator essencial para a corrida pela indicação democrata, segundo a rede CNN. Indiana é um estado com população mais branca, mais pobre e menos educada que a média do país, características demográficas que favorecem a ex-primeira-dama americana no atual processo de primárias. Na Carolina do Norte, a população negra representa 20% do total. Um juiz de Indiana ordenou que alguns postos de votação da cidade permanecessem abertos após o horário previsto de fechamento, devido às longas filas de eleitores. Análises oficiais em Indianápolis indicam que a cidade registrou recorde de votação apenas seis horas depois das urnas serem abertas.O secretário de Estado de Indiana, Todd Rokita, disse que a quantidade de eleitores deu ao pleito um ar de eleição geral, não apenas prévias.  Economia A economia foi uma questão determinante entre as preocupações dos eleitores dos dois estados, segundo uma pesquisa divulgada mais cedo.  Mais de seis em cada 10 eleitores disseram que a economia é o assunto mais importante para o país - a porcentagem mais alta registrada entre todos os Estados que já votaram até então, informou o jornal The Washington Post. Foto: AP O senador e a ex-primeira dama se focaram na economia nos últimos dias de campanha. Mas, nesse aspecto, a batalha pode ter um empate, já que grande maioria dos eleitores dois Estados acreditam que ambos os candidatos compartilham das mesmas opiniões neste aspecto, destaca o Washington Post. Ao todo, o apoio de apenas 404 delegados continuam em jogo, e o total de 187 disputados nesta terça faz dos pleitos a maior eleição primária que ainda restava, segundo a CNN. Hillary precisa conquistar mais de 70% dos delegados remanescentes para alcançar Obama.  Próximos passos Segundo o jornal The New York Times, com a provável vitória de Obama na Carolina do Norte, a campanha de Hillary tem agora duas tarefas: impedir que o senador conquiste mais superdelegados e se focar ainda mais na recontagem dos votos na Flórida e Michigan. Sem estes fatores, é difícil ver chances para sua nomeação. Os próximos Estados não tem delegados o bastante para mudar os rumos da disputa. A próxima data importante será 31 de maio, quando o Comitê Nacional Democrata se encontrará para discutir o que será feito em relação a Flórida e Michigan. Depois das disputas desta terça, restarão somente outros seis Estados para votar em todo o país. Provavelmente, o partido terá que esperar as primárias pendentes antes de anunciar um ganhador.   (Matéria ampliada às 02h30) 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.