Obama visita Edwards às vésperas da disputa de Wisconsin

Questões da classe média foram discutidas no encontro; ex-pré-candidato ainda não apoia nenhum democrata

Reuters e Associated Press

18 de fevereiro de 2008 | 16h28

O pré-candidato democrata a presidência Barack Obama visitou no domingo, 17, o ex-pré-candidato John Edwards, que ainda não declarou endosso a candidatura de nenhum de seus ex-rivais na acirrada disputa democrata.  Bush pai apóia McCain na corrida republicanaObama e McCain já falam como candidatosVitória agrava crise na campanha de Hillary Guterman: Hillary acabou? Pense de novo Confira a disputa em cada Estado Conheça a trajetória dos candidatos Cobertura completa das eleições nos EUA  Em entrevista a rede de televisão WITI em Milwaukee, Obama disse que "no encontro com John, nós apenas discutimos como poderíamos direcionar o partido numa direção que enfoque os problemas da classe média".  Na manhã de domingo, 17, Obama suspendeu a campanha e pegou um avião de Chicago, onde vive, para a Carolina do Norte, onde fica a casa de Edwards. Desta vez, ele não se permitiu acompanhar pela habitual caravana de jornalistas. Hillary Clinton havia feito uma viagem semelhante no começo do mês.  Obama e Hillary planejaram realizar campanha em Wisconsin, onde ocorrem prévias eleitorais na terça-feira, 19, mas foram impedidos pela tempestade de neve que atingiu o estado. Obama acumula oito vitórias consecutivas nos últimos dias e espera conquistar mais duas na disputa de terça-feira, 19, em Wisconsin e no Havaí, seu estado natal. As últimas pesquisas o colocam à frente em Wisconsin, com uma margem de diferença não muito grande. O ex-senador e ex-candidato à vice-presidência John Edwards anunciou em 30 de janeiro que estava deixando oficialmente a disputa presidencial. Edwards vinha acumulando uma parcela razoável de delegados - 26 - e poderá declarar seu apoio ao candidato que adotar temas de sua plataforma, centrada no combate à pobreza nos Estados Unidos. Depois das disputas de Wisconsin, todas as atenções democratas se voltam para 4 de março, quando há primárias em dois Estados de peso - Texas e Ohio.  Hillary, que já não é mais considerada favorita absoluta, aposta todas as suas fichas em vitórias nesses dois estados, que levam um grande número de delegados à convenção nacional do partido.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.