Palin depõe em inquérito sobre abuso de poder nesta sexta

Governadora do alasca e vice na chapa republicana é acusada de ter usado cargo para demitir funcionário

BBC Brasil, BBC

24 de outubro de 2008 | 07h27

A candidata a vice-presidente dos Estados Unidos pelo Partido Republicano e governadora do Alasca, Sarah Palin, irá depor nesta sexta-feira, 24, pela primeira vez em um inquérito que investiga a acusação de que ela teria cometido abuso de poder em sua gestão. É o segundo inquérito realizado a respeito da demissão do ex-secretário de Segurança do Alasca, dispensado por Palin supostamente após ele ter se recusado a demitir um policial que estava se divorciando da irmã da candidata a vice de John McCain.   Veja também: The New York Times anuncia apoio a Obama Obama e McCain devem arrecadar mais de US$ 1 bilhão Enquete: Você votaria em McCain ou Obama?  Confira os números das pesquisas nos Estados  Obama x McCain  Entenda o processo eleitoral   Cobertura completa das eleições nos EUA   Em um primeiro inquérito a respeito do caso, a governadora foi considerada culpada de ter cometido uma violação de ética ao pressionar pela demissão de seu ex-cunhado, Mike Wooten. Mas a investigação também concluiu que Palin não cometeu um delito ao demitir o então secretário de Segurança do Alasca, Walter Monegan. A governadora alega ter demitido Monegan devido a divergências que ambos tinham em relação ao orçamento destinado à pasta dele.   O inquérito ocorre em um momento delicado para a chapa McCain-Palin, que está atrás da dupla democrata Barack Obama e Joe Biden em boa parte das pesquisas nacionais, faltando apenas 11 dias para a eleição presidencial. Sondagens mostram também que boa parte dos americanos julgam a governadora despreparada para assumir a Presidência americana.   Uma pesquisa divulgada nesta quarta-feira pelo jornal Wall Street Journal e a rede NBC mostrou que mais de 55% dos consultados acreditam que ela não estaria apta para ser a líder americana, caso McCain, que tem 72 anos, fique impossibilitado de exercer o cargo. Na terça-feira, Palin também rendeu mais um constrangimento para a chapa republicana, após o site de notícias Politico ter divulgado que a governadora gastou um total de US$ 150 mil em roupas durante a campanha presidencial. A campanha de McCain acusou a mídia americana de se centrar em "calças e blusas" em meio à crise econômica que atinge os Estados Unidos. E acrescentou que as roupas de Palin serão doadas para organizações de caridade após a disputa presidencial.

Tudo o que sabemos sobre:
eleições nos EUASarah Palin

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.