Pesquisa do NYT dá a Obama nove pontos de vantagem

Sondagem afirma que democrata tem 49% das intenções de voto contra 40% do republicano John McCain

Agências internacionais,

02 de outubro de 2008 | 08h47

Com o fim do primeiro debate presidencial e os dois candidatos disputando a atenção com os tumultos em Wall Street e Washington, o senador Barack Obama mostra sinais de maior apoio do eleitorado a menos de cinco semanas da eleição, enquanto o rival John Mccain sofre com os danos de sua imagem por sua resposta à crise financeira. Segundo pesquisa realizada pelo The New York Times e pela CBS, Obama tem nove pontos de vantagem sobre McCain.   Veja também: Obama x McCain Entenda o processo eleitoral   Cobertura completa das eleições nos EUA   A sondagem aponta que o democrata tem 49% das intenções de voto contra 40% do republicano. Está é a primeira vez que Obama aparece com uma diferença estatisticamente significante sobre o rival na pesquisa do jornal nova-iorquino. Uma série de pesquisas anunciadas na quarta-feira mostram ainda que Obama leva vantagem em Estados considerados cruciais na disputa, incluindo Flórida, Ohio e Virgínia.   Segundo pesquisas da Universidade de Quinnipiac, Obama supera McCain na Flórida (51% a 43%), em Ohio (50% a 42%), e na Pensilvânia (54% a 39%). Todas as pesquisas foram realizadas depois do debate de sexta-feira, o que reforça a conclusão de vários analistas e pesquisas instantâneas, que apontaram uma vitória de Obama no primeiro confronto contra McCain diante das câmeras.   Segundo a pesquisa nacional do Pew Research Center, Obama tem 7 pontos porcentuais de vantagem sobre McCain (49% a 42%). A sondagem mostra que o democrata não tinha uma vantagem tão ampla desde junho. "É difícil encontrar uma corrida presidencial moderna na qual se constate uma diferença tão grande e clara no final da campanha", disse Peter Brown, vice-diretor da Universidade de Quinnipiac. "Durante os últimos 20 dias, Obama passou de 7 pontos de desvantagem para 8 pontos de vantagem sobre seu adversário na Flórida, aumentou sua liderança em Ohio e tem 15 pontos a mais na Pensilvânia."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.