Plano de estímulo é prioridade da equipe econômica, diz Obama

Timothy Geithner, presidente do Fed de NY, assume o Tesouro; Lawrence Summers será conselheiro-chefe

Redação

24 de novembro de 2008 | 15h07

O presidente eleito dos Estados Unidos, Barack Obama, anunciou nesta segunda-feira, 24, em entrevista coletiva em Chicago, a nova equipe que irá dirigir a economia na sua gestão. O presidente do Federal Reserve (Fed) de Nova York, Timothy Geithner, será o secretário do Tesouro, e Lawrence Summers, que exerceu o mesmo cargo no governo Clinton, foi nomeado diretor do Conselho Econômico Nacional da Casa Branca.  Veja também:Obama terá pacote de até US$ 700 bi no dia da posse, diz senador Especial traz a montagem do gabinete do presidente eleito Completam a equipe duas mulheres. Christina Romer, professora da Universidade de Berkeley, como chefe do conselho de assessores econômicos da Casa Branca, e Melody Barnes, vai chefiar o conselho de políticas domésticas.   Na apresentação, Obama disse que a primeira tarefa da equipe econômica é moldar seu plano de estímulo para tirar a economia da recessão, que visa criar 2,5 milhões de empregos em dois anos, baseado em investimentos em energias alternativas e em infra-estrutura. O democrata não falou quanto o pacote vai custar, mas especula-se que o novo Congresso, com maioria democrata, pode aprovar um plano que varia de US$ 500 bi a US$ 700 bi. Segundo o presidente eleito, a equipe vai trabalhar em conjunto com a atual administração e com o Fed e lhe fornecerá relatórios diários sobre os avanços do pacote.   "O trabalho deles começa hoje, não há tempo a perder(...) Precisamos colocar as pessoas para trabalhar", disse Obama. O democrata, no entanto, voltou a alertar sobre a gravidade da crise. "Não será fácil. Não há atalhos e é provável que a crise piore", afirmou o presidente eleito, que prometeu também revisar o orçamento federal para eliminar gastos desnecessários.  Obama disse ainda que a crise levou a um consenso entre economistas de direita e de esquerda de que um grande plano de estímulo econômico, como o que ele planeja, é necessário. "Precisamos que o Congresso aprove o plano para começarmos a todo vapor", disse. Ele ainda se comprometeu com a recuperação do sistema financeiro. Hoje o Citigroup recebeu um aporte de US$ 20 bilhões do governo Bush.A equipe Geithner e Summers liderarão os esforços do futuro governo para resgatar a economia e conter a pior crise financeira em mais de 70 anos. O principal estrategista da campanha eleitoral de Obama, David Axelrod diz, que o presidente do Fed de Nova York tem o "temperamento certo" para assumir o cargo. O indicado do presidente eleito precisa ser aprovado pelo Senado americano. Relativamente jovem, com 47 anos Geithner já tem um longo histórico de trabalho no Tesouro. Ele foi para o Departamento em 1988, quando trabalhou como sub-secretário para assuntos internacionais durante a gestão de Bill Clinton (1993-2001), junto ao então secretário do Tesouro Robert Rubin e depois com Summers, que sucedeu Rubin. Durante o governo Clinton, atuou com o ex-presidente no combate à crise dos mercados asiáticos, no final dos anos 90. Entre os anos de 2001 e 2003, Geithner dirigiu o Departamento de Políticas de Desenvolvimento do Fundo Monetário Internacional (FMI). Ele trabalhou ainda como membro permanente do Federal Open Market Committee, órgão responsável pela política monetária americana. Na atual crise financeira, o presidente do Fed nova-iorquino, muito respeitado em Wall Street, teve papel-chave ao trabalhar lado a lado com Paulson na implementação do plano de resgate para a economia.Summers, de 53 anos, ganhou a confiança de Obama ao ajudar a preparar a resposta dele à crise financeira durante a campanha, terá o amplo papel de planejar a política econômica e coordenar os outros assessores da área. Ele foi diretor da Universidade Harvard de 2001 a 2006 e renunciou ao posto após fazer várias declarações polêmicas, entre elas a de que "diferenças inatas entre homens e mulheres podem ser uma das razões pelas quais poucas mulheres têm sucesso nas carreiras ligadas às ciências."

Tudo o que sabemos sobre:
obamacrise

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.