'Pobrezinha, me dá pena', diz Hugo Chávez sobre Sarah Palin

Presidente venezuelano rebateu crítica de que seria ditador e chamou vice de John McCain de 'fantoche'

Associated Press,

25 de outubro de 2008 | 10h40

O presidente Hugo Chávez disse na sexta-feira, 24, que a candidata a vice-presidência dos Estados Unidos pelo partido republicano, Sarah Palin, é uma "fantoche" que "dá pena" e que ela não sabia o que dizia quando o chamou de ditador. A agressão verbal é a mais recente de uma larga série dada pelo presidente venezuelano, mas dessa vez não veio sem provocação. Veja também:Obama lidera McCain por 9 pontos, indica pesquisa nos EUAParticipação nas eleições antecipadas pode atingir 30%The New York Times anuncia apoio a ObamaEnquete: Você votaria em McCain ou Obama? Confira os números das pesquisas nos Estados Obama x McCain Entenda o processo eleitoral  Cobertura completa das eleições nos EUA Em uma entrevista com a cadeia hispano-americana Univisión, transmitida na terça-feira, Palin afirmou: "Queremos através da negociação e das sanções, se é que é necessário, pressionar os ditadores como Hugo Chávez, deixá-los ver que não podem se meter com os Estados Unidos em vão". Em uma cerimônia para inaugurar uma termoelétrica, Chávez disse que havia ouvido as declarações de Palin. "Pobrezinha, me dá pena", disse o presidente, fazendo um gesto de desdém com a mão. Acrescentou que Palin não é senão "uma rainha da beleza e que fique a cumprir o papel de um fantoche". "Temos que falar como (Jesus) Cristo: 'perdoe-a porque não sabe o que está dizendo'", disse. A decisão do candidato republicano John McCain de escolher Palin como vice surpreendeu os Estados Unidos e provocou alguns que expressam dúvidas quanto a capacidade da candidata para ser vice-presidente. Palin, que ganhou um concurso de beleza e disse que pratica a caça de alces, governou o Estado de Alasca por quase dois anos. Ela disse que se chagar à vice-presidência gostaria promover questões como a independência energética, a reforma geral do governo e o trabalho com famílias que têm filhos despreparados. Apesar das críticas, Chávez reiterou seu desejo de reunir-se com o vencedor das eleições presidenciais de novembro - seja ele McCain ou o candidato democrata Barack Obama. "Estamos dispostos a conversar... Falar como seres humanos". 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.