Mike Segar/Reuters
Mike Segar/Reuters

Quem é Melania Trump?

Conheça mais sobre a esposa do candidato republicano

O Estado de S.Paulo

08 de novembro de 2016 | 05h00

Você sabe quem é Melania Trump? A esposa do candidato republicano à presidência dos EUA ganhou atenção do mundo em julho, quando fez seu discurso na Convenção Republicana e foi criticada por plagiar as palavras de Michelle Obama. Depois da gafe, a ex-modelo ficou longe dos holofotes por algum tempo. Hoje, a poucas horas do resultado das eleições norte-americanas, vale aprender mais sobre seu passado.

Antes de sonhar em ser Melania Trump, a eslovena nascida em 26 de abril de 1970 atendia pelo nome Melanija Knavs. Seu pai, Viktor, era vendedor de carros e membro do Partido Comunista; sua mãe, Amalija, trabalhava como operária de uma indústria têxtil e fazia questão de sempre vestir as duas filhas para impressionar. Não à toa, Melania era popular por ser a aluna mais estilosa do colégio em que estudava e sempre sonhou em ser modelo. 

Melania cursava o ensino médio quando o fotógrafo Stane Jerko a observou pela primeira vez. “Ela era um pouco tímida, mas aprendeu rápido. Num segundo ensaio, ela estava muito bem, como uma modelo”, disse Jerko em entrevista à CNN. Para o fotógrafo, Melania Trump está um tanto distante da campanha política do marido. “Ela está apenas nos bastidores, muito reservada”, conta.

Possível primeira-dama

Aqueles que conheceram a Melania criança têm orgulho da bem falada garota da cidade que tem chances de se tornar a primeira-dama dos Estados Unidos em poucas horas. Porém, enquanto alguns eslovenos mantêm as críticas a Donald Trump em conversas discretas, outros não economizam palavras para expressar o descontentamento pelo candidato, de acordo com o site CNN Politics.

“Trump tem visões horríveis a respeito das mulheres e como elas devem ser tratadas”, afirma Mia Janezica, estudante de direito em Ljubljana, capital da Eslovênia. “Mas o fato de ele ter dinheiro e poder não significa que ele pode tratar as pessoas assim.”

Namoro que “não existiu”

Quando tinha 17 anos, Melania conheceu Peter Butoln em um bar no centro de Ljubljana. Segundo Butoln, ele escreveu o número de telefone dela na palma de sua mão e, pouco tempo depois, os jovens passaram a sair juntos. Mais especificamente, em passeios à praia na Vespa azul de Butoln, o veículo da moda da Eslovênia, antiga Iugoslávia, dos anos 80.

Butoln afirma que o relacionamento durou alguns meses; ele estava alistado no exército e a carreira de modelo de Melania estava começando a decolar. “Ela tinha uma mente muito focada. Acho que ela acreditava que poderia fazer o que quer que quisesse”, conta.

A campanha de Trump nega que Melania e Butoln se relacionaram.

A última correspondência que recebeu de Melania foi um cartão postal, em que se lia: “Nós não nos falamos há um bom tempo, por isso estou mandando saudações da praia. PS: Espero que você apareça para dar um oi antes de ir para o exército. Escreva para mim!”

Casamento

No início dos anos 90, Melania deixou a Eslovênia e os corredores da universidade de Ljubljana para desfilar nas passarelas de Milão e Paris. Em 1998, dois anos após ter se estabelecido nos EUA, ela conheceu Donald Trump em uma festa no Kit Kat Club, em Nova York. Os dois trocaram alianças no palácio Mar-a-Lago de Trump, na Flórida, em 2005. Um ano depois, Melania deu à luz Barron Trump, o caçula do candidato republicano.

Em defesa de Trump

Durante uma entrevista para celebrar o aniversário de um ano de casamento de Donald Trump com Melania, a repórter da revista People, Natasha Stoinoff, acusou o republicano de beijá-la à força. Trump e sua assessoria negam a acusação.

Mesmo após inúmeras outras denúncias de assédio sexual contra o candidato republicano, Melania defende Trump. “Eu acredito no meu marido”, afirmou em entrevista à CNN, garantindo que o americano jamais usou linguagem baixa contra alguma mulher. “Ele é real e fala sobre as coisas como elas são. Ele é gentil, um cavalheiro, ajuda a todos. Ele encoraja mulheres a conquistar seus sonhos”, diz. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.