Relatório da equipe de Obama descarta contato com governador

Documento elaborado pela transição reitera que time do presidente não está envolvido em escândalo de Illinois

Efe,

23 de dezembro de 2008 | 20h43

O relatório interno da equipe de transição de Barack Obama afirma que não houve contatos indevidos entre pessoas próximas ao presidente eleito dos Estados Unidos e o governador de Illinois, Rod Blagojevich, acusado de corrupção. Em um memorando divulgado nesta terça-feira, 23, à imprensa, o assessor legal de Obama, Greg Craig, assegura que sua pesquisa confirma que o presidente eleito não teve contato ou falou com o governador sobre algo impróprio. Veja também:Governador de Illinois declara que é inocente e não renunciará O documento garante que também não há indícios de que a equipe de Obama tratasse com o escritório de Blagojevich sobre "um acordo". Blagojevich é acusado de ter buscado lucro com a indicação de um substituto para a cadeira do Senado que Obama, até então senador por Illinois, deixou vaga após vencer as eleições presidenciais. O relatório de Craig indica ainda que o chefe de Gabinete de Obama, Rahm Emanuel, que também é congressista por Illinois, conversou com o governador entre 6 e 8 de novembro. Nessas conversas, Emanuel e o governador trataram sobre a vaga que Emanuel deixaria no Congresso e também mantiveram uma "breve discussão" sobre a cadeira e "os méritos de algumas pessoas que o governador poderia levar em conta" para ocupar o cargo. Emanuel apresentou nomes de uma série de pessoas. "O presidente eleito achava apropriado apresentar os nomes de vários candidatos para que fossem levados em conta, junto com outras pessoas, que teriam as qualificações necessárias para ocupar a cadeira e mantê-la em sucessivas eleições", afirma o documento. O chefe de Gabinete de Obama, acrescentou o relatório, se limitou a citar esses nomes e não ofereceu nenhum tipo de recompensa em troca. "Emanuel e o governador não trataram sobre um cargo no gabinete, uma ONG, uma posição no setor privado para o governador ou nenhum outro lucro pessoal para o governador", concluiu o relatório de Craig.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.