Republicano Mitt Romney abandona campanha por indicação

Manobra deve selar a nomeação de John McCain como candidato conservador à sucessão de George W. Bush

Reuter e Associated Press,

07 de fevereiro de 2008 | 15h32

O pré-candidato republicano à Presidência dos EUA Mitt Romney suspendeu sua campanha nesta quinta-feira, 7, virtualmente selando a nomeação do senador John McCain como candidato conservador à sucessão de George W. Bush.  Veja também:Obama arrecada US$ 7,2 mi desde Superterça"Republicanos usarão escândalos contra Hillary"Definição segue caminhos divergentesCorrida eleitoral deve seguir por semanasEspecial eleições americanas  Cobertura completa das eleições nos EUA   A decisão foi tomada após uma vitória avassalador de McCain nas prévias realizadas simultaneamente em 23 estados na chamada Superterça, no último dia 5. A manobra marca uma espetacular reviravolta para a campanha do senador pelo Arizona, que há menos de um ano viu sua pré-candidatura à beira do abismo - sem verbas e com poucos voluntários.  McCain deverá enfrentar ainda nas primárias do partido o ex-pastor e ex-governador do Arkansas Mike Huckabee, que apesar da boa performance na Superterça está a muitos delegados de distância da nomeação.  Romney, que tentava se tornar o primeiro presidente Mórmon dos EUA, disse que decidiu deixar a corrida para evitar prejudicar as chances do Partido Republicano nas eleições gerais de novembro. Segundo ele, caso o Partido Democrata faça o novo presidente americano, os Estados Unidos estarão em perigo.  "Se eu continuar lutando pela minha campanha até o dia da convenção, irei ofuscar o lançamento de uma campanha nacional, fazendo com que uma vitória da senadora (Hillary) Clinton ou Barack Obama se torne mais provável. E nesses tempos de guerra, eu simplesmente não posso deixar que minha campanha seja parte de uma entrega ao terror", disse o ex-governador de Massachusetts no discurso em que oficializou sua desistência.  "Não é uma decisão fácil para mim. Eu odeio perder. Minha família, meus amigos e nossos partidários (...), muitos de vocês nesta sala (...), deram uma grande mostra de como posso me tornar presidente. Se fosse apenas por mim, eu continuaria. Mas eu entrei nessa corrida porque amo os Estados Unidos, e como amo os Estados Unidos, sinto que devo ficar de fora, pelo nosso partido e pelo nosso país." Segundo um dirigente republicano, Romney e McCain se falaram por telefone após o discurso do ex-governador, mas não houve endosso à candidatura do senador.  Em várias ocasiões, Romney criticou McCain classificando-o como liberal e dizendo ser ele mesmo o verdadeiro conservador. Nesta quinta, no entanto, ele disse que embora tenha tido suas diferenças com o adversário, ambos concordam em "fazer o que for necessário para ser bem sucedido no Iraque, encontrar e executar Osama bin Laden e eliminar a Al-Qaeda e o terrorismo". Na trilha para a nomeação Em um esforço para reverter a imagem de liberal, McCain disse nesta quinta-feira que ele não poderá ser bem sucedido na disputa sem o apoio conservador, e que qualquer diferença dentro do partido será ofuscada pelas diferenças com Hillary e Obama.  McCain foi o candidato com maior número de vitórias na Superterça, ficando próximo do número de delegados necessário para conseguir a nomeação. No resultado geral, ele está com 707 delegados contra 294 de Romney e 195 de Huckabee. São necessários 1.191 delegados para conquistar a nomeação republicana.  Além disso, ele foi o mais votado nos populosos Estados da Califórnia e Nova York, além de sete outros estados. Huckabee, por sua vez, liderou no sul, onde seu apelo aos conservadores cristãos minaram o apoio a Romney.

Mais conteúdo sobre:
Eleições nos EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.