Republicanos votam em prévia na Flórida com Giuliani em crise

Ex-prefeito de Nova York luta com Mike Huckabee pela terceira posição de acordo com pesquisas de voto

Reuters,

29 de janeiro de 2008 | 09h28

A campanha do republicano Rudy Giuliani rumo à Casa Branca passa por momentos difíceis nesta terça-feira, 29, quando uma pesquisa Reuters/C-SPAN/Zogby aponta que ele aparece bastante atrás de outros candidatos do partido na primária da Flórida, onde ele esperava dar impulso à sua candidatura presidencial.        Veja também:   Republicanos buscam votos dos cubano-americanos na Flórida   Cobertura completa das eleições nos EUA Especial eleições americanasHoras antes do início da votação no Estado, o senador John McCain mantinha uma pequena vantagem de 4 pontos sobre o ex-governador Mitt Romney (35% contra 31%), segundo a sondagem. Giuliani, ex-prefeito de Nova York, luta com o ex-governador Mike Huckabee pela terceira posição na Flórida, tendo cada um 13% das preferências. A margem de erro da pesquisa é de 3,3 pontos percentuais. Giuliani apostou sua candidatura em bons resultados no Estado, depois de decidir não fazer campanha nos primeiros locais de votação no país, mas ele vem caindo nas pesquisas nacionais e estaduais há semanas. "A disputa tornou-se uma corrida de dois homens e Giuliani não é mais um fator" observou o especialista em pesquisas John Zogby. O vencedor da primária na Flórida coloca-se em boa posição antes da "superterça-feira", no dia 5 de fevereiro, quando 21 Estados do país terão prévias republicanas.   Liderança de McCann   No fim de semana, McCain recebeu apoio do governador da Flórida, Charlie Crist, que tem mais de 70% de aprovação popular. O apoio de políticos influentes tem ajudado McCain a ganhar votos de eleitores da base do partido. Romney, por sua vez, vai bem entre os mais conservadores, enquanto Giuliani deve ganhar o voto dos nova-iorquinos que vivem no Estado.Parte dos republicanos que resistiam a McCain por suas opiniões liberais sobre imigração, aquecimento global e financiamento de campanha está aderindo ao senador. Mesmo rejeitando essas posições, os eleitores não vêem melhor opção. Para McCain, a Flórida será um grande teste porque é o primeiro Estado que não permite nas prévias a participação de independentes, justamente aqueles que lhe deram a vitória em New Hampshire e Carolina do Sul.Para Giuliani, as primárias de hoje são sua última esperança. Em uma estratégia considerada equivocada por muitos analistas, o ex-prefeito de Nova York ignorou as primeiras prévias e dedicou-se totalmente à Flórida, onde passou mais de um mês fazendo campanha. Assim, ele deixou a liderança e despencou para um quarto lugar nas pesquisas gerais de intenção de voto. Como não ganhou nenhuma prévia até agora, muitos acreditam que uma derrota na Flórida o deixaria muito enfraquecido - até em seu Estado, Nova York, que vota na Superterça, dia 5. Mas Giuliani aposta nos votos antecipados. A Flórida é um dos 37 Estados que permitem votar antes das eleições (pelo correio ou pessoalmente, em postos de votação). Até agora, 400 mil dos 3,8 milhões de eleitores republicanos votaram antecipadamente. Como Giuliani concentrou esforços para ganhar votos antecipados na Flórida, conta com uma "surpresa" na primária.Já McCain vem ganhando pontos com a tese da elegibilidade. Uma pesquisa do Wall Street Journal mostrou que ele conseguiria vencer a democrata Hillary Clinton nas eleições gerais, por 46% a 44%, e empataria com o senador Barack Obama. Nenhum dos outros candidatos republicanos - Mike Huckabee, Romney ou Giuliani - bateria Hillary. O pior adversário de McCain é o tino comercial e a imagem de bom administrador de Romney, que atrai muitos eleitores em razão da incerteza sobre a economia.Na Flórida, quem vence leva 57 delegados, um número significativo no caminho para a convenção do partido, em setembro. O vitorioso ganhará também um impulso para a Superterça, quando 22 Estados elegerão 40% dos delegados que votarão na convenção nacional.   (Com Patrícia Campos Mello, de O Estado de S. Paulo) var keywords = "";

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.