Romney diz que não desistirá da corrida presidencial

Republicano reafirma que seguirá até a convenção do partido, que acontece em Agosto

Efe

06 de fevereiro de 2008 | 03h01

O ex-governador de Massachusetts e pré-candidato republicano à Casa Blanca Mitt Romney disse nesta quarta-feira, 6, em Boston que seguirá com sua campanha, apesar de só ter vencido por enquanto em três estados nas primárias desta Superterça.   Veja também:  Obama e Hillary fecham praticamente empatados  McCain dispara após vitórias na Superterça  Internet vira arma na caça ao voto  Especial eleições americanas   Cobertura completa das eleições nos EUA       "Uma coisa é clara: esta campanha vai continuar. Eu acho que há algumas pessoas que pensaram que ia tudo terminar hoje, mas elas estão erradas", disse Romney, vencedor dos Estados de Massachusetts, Utah e Dakota do Norte. "Vamos seguir até a convenção (republicana). Vamos ganhar", afirmou.   Romney, que é mórmon, era favorito em Utah, onde sua igreja tem grande influência, em Dakota do Norte, e em Massachusetts, onde é muito conhecido pelos eleitores por ter sido governador.   O pré-candidato apelou à base conservadora e religiosa do Partido Republicano, e afirmou que seus valores não são representados pelo senador John McCain, o líder nas pesquisas.No entanto, sua campanha foi prejudicada pelo ex-governador do Arkansas Mike Huckabee, o terceiro colocado nas enquetes, que também procurou pelo mesmo tipo de eleitores e teve especial sucesso com a direita cristã.   O empresário já torrou mais de US$ 35 milhões em sua campanha, sendo US$ 17 milhões do próprio bolso, e ganhou apenas nas prévias menos importantes - Michigan, Wisconsin, Nevada e Maine. "O retorno do investimento foi bastante baixo", brincou seu rival democrata Barack Obama.   McCain ganhou apoio de governadores populares como Arnold Schwarzenegger, da Califórnia, Charlie Crist, da Flórida, e George Pataki, ex-governador de Nova York. Mas Romney apresenta-se como a alternativa realmente conservadora a McCain e tem o apoio da facção ultraconservadora do Partido Republicano. Apesar de ter sido um governador razoavelmente liberal, ele agora abraçou causas dos conservadores, como expulsar os imigrantes ilegais, dobrar a prisão de Guantánamo, aumentar os cortes de impostos. Ele também se vende como o único candidato que entende de economia e poderia tirar o país da recessão.Mas o fato de Romney ter mudado de idéia em relação a várias questões, entre elas o direito ao aborto, causa desconfiança. Além disso, o ex-governador do Arkansas Mike Huckabee não dá sinais de que vai desistir. Ele é a pedra no sapato de Romney, porque o impede de subir mais nas pesquisas ao roubar votos conservadores. (Com Patrícia Campos Mello, de O Estado de S. Paulo)

Mais conteúdo sobre:
Eleições. EUAsuper terça

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.