Sarah Palin nega que partido gastou US$ 150 mil em roupas

Vice republicana alega preconceito e se compara a Hillary Clinton; McCain diz que compras serão doadas

Associated Press,

24 de outubro de 2008 | 14h38

A candidata republicana à vice-presidência dos Estados Unidos, Sarah Palin, está alegando preconceito de gênero pela controvérsia sobre os US$ 150 mil que seu partido gastou em roupas e acessórios para ela e sua família. "Acho que Hillary Clinton esteve presa a um padrão diferente na disputa primária", afirmou ela ao jornal Chicago Tribune. "Você lembra daquelas conversas sobre ela, que diziam coisas superficiais que eles não falavam sobre homens, sobre seu guarda-roupa e cabelo? Isso é pouco desse padrão duplo."   A notícia da compra de roupas contrasta com aquela imagem de que Palin seria uma típica mãe de classe média. Ela se defendeu dizendo que o gasto não foi de US$ 150 mil e que as compras foram feitas para o Convenção Republicana. Muitas das roupas nunca saíram do avião de campanha, afirmou.   Veja também: Palin depõe em inquérito sobre abuso de poder nesta sexta The New York Times anuncia apoio a Obama Obama e McCain devem arrecadar mais de US$ 1 bilhão Enquete: Você votaria em McCain ou Obama?  Confira os números das pesquisas nos Estados  Obama x McCain  Entenda o processo eleitoral   Cobertura completa das eleições nos EUA   "É um pouco doloroso ser criticada por alguma coisa quando todos os fatos não estão sendo divulgados", acrescentou Palin. "A coisa toda é muito ruim. Se as pessoas soubesse o quanto somos simples...". Na quinta, o site Huffington Post divulgou uma foto de Palin usando um lenço nas cores da bandeira americana, mas estampado com burrinhos, símbolo dos democratas. Para piorar, lia-se a palavra "vote" no acessório, usado pela candidata na terça-feira, durante um comício no Estado de Nevada.   Seu colega de chapa, John McCain, respondeu várias perguntas na quinta-feira sobre o gastos com roupas de sua vice - e ele respondeu cada uma mais ou menos da mesma forma: Sarah Palin precisava de roupas e elas serão doadas para caridade.   "Ela precisava de roupas na ocasião. Elas serão doadas ao final dessa campanha", declarou o candidato republicano à imprensa em seu ônibus de campanha na Flórida. Quando perguntado se ele ficou surpreso com o valor gasto, ele reiterou que as "roupas serão doadas e nada o surpreende". McCain não fez outros comentários, exceto para dizer que o Comitê Nacional Republicano não pagou esses gastos.   Na quarta-feira, perguntado em uma entrevista na televisão americana sobre quem pagou seu terno, o candidato democrata à vice-presidência, Joe Biden, alfinetou: "Eu pago meus ternos. Eu pago por todas as minhas roupas."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.