Site ironiza McCain por ter chamado Obama de 'aquele lá'

No debate, republicano se referiu ao rival como 'aquele lá'; página se aproveita do comentário

Reuters,

08 de outubro de 2008 | 17h43

A campanha do candidato democrata à Casa Branca, Barack Obama, se mostrou irritada nesta quarta-feira, 8, com um comentário do republicano John McCain que se referia ao rival como "aquele lá" durante o debate de terça. Falando sobre uma lei de energia, McCain disse: "Sabem quem votou a favor? Poderiam não saber nunca. Foi aquele lá", apontando para Obama. Em resposta, foi lançado um site intitulado "That One 2008" (aquele lá, em inglês), ironizando o comentário do senador republicano.   Veja também: 'Quem é o real Obama?', questiona McCain Obama consolida imagem de líder em debate Galeria de fotos do debate  Obama x McCain  Entenda o processo eleitoral   Cobertura completa das eleições nos EUA   "Da última vez, ele não pôde olhar para o senador Obama. Dessa vez, não pôde dizer seu nome", afirmou o chefe da campanha do candidato democrata, David Plouffe, logo depois do debate. No primeiro confronto, McCain foi acusado de não falar se dirigindo a Obama, olhando apenas para as câmeras.   Joe Biden, candidato à vice-presidência da chapa de Obama, foi mais compassivo. "Creio que John sabe que quando está atacando, é sempre difícil olhar para outra pessoa nos olhos", disse ele na televisão americana.   A campanha de McCain rechaçou o comentário. "Estou surpresa que mais uma vez foi demonstrado que essa é a campanha mais suscetível da história dos Estados Unidos", afirmou Nicole Wallace, assessora do republicano, à rede CBS.   A imprensa americana também repercutiu o episódio. Para o colunista Tom Shales, do jornal Washington Post, o comentário foi "degradante e desagradável". "'Aquele' também contribuiu para forjar uma imagem de McCain como um combatente amargurado", disse.   Em agosto, um anúncio da campanha republicana referia-se a Obama como "o escolhido", comparando-o com Moisés. A equipe do democrata considerou o vídeo "infantil."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.